UEFA determinada em combater a viciação de resultados

O secretário-geral da UEFA, Gianni Infantino, destacou a determinação da UEFA em combater a viciação de resultados e a corrupção no futebol, um "cancro" que ameaça a integridade do desporto.

O secretário-geral da UEFA, Gianni Infantino, está determinado em combater a viciação de resultados
O secretário-geral da UEFA, Gianni Infantino, está determinado em combater a viciação de resultados ©UEFA.com

O secretário-geral da UEFA, Gianni Infantino, destacou a determinação da UEFA em combater a viciação de resultados e a corrupção no futebol.

Num discurso proferido durante uma conferência sobre a integridade no desporto, em Roma, organizada pela Interpol e pela FIFA, organismo responsável pelo futebol mundial, Infantino reiterou o apelo da UEFA para uma cooperação alargada entre os organismos desportivos e as instituições nacionais, de forma a erradicar do futebol aquilo que descreveu como um "cancro" que ameaça a integridade do desporto.

"Não podemos e não vamos permitir que o nosso desporto seja corrompido por criminosos que só pensam em obter proveitos financeiros", explicou Infantino ao UEFA.com antes do início da conferência. "O futebol, como sabem, é um jogo baseado na competição justa entre participantes que aceitam as regras estabelecidas. A integridade do nosso desporto, assim como o bem-estar físico e emocional de jogadores e árbitros, estão a ser fortemente prejudicados por estes indivíduos que têm ligações a grupos criminosos organizados na Ásia e na Europa.”

"Temos o compromisso de manter a integridade do nosso desporto", acrescentou. "O nosso programa contínuo de formação de jogadores, árbitros e treinadores, os nossos sistemas sofisticados de monitorização e as nossas ligações próximas com as autoridades policiais e nacionais levam a que nunca baixemos os braços perante aqueles que querem viciar resultados.”

"Não podemos vencer sozinhos esta batalha e reconhecemos a necessidade de uma colaboração próxima com todos os membros da família do futebol e outros organismos desportivos, cujo objectivo é levar a que prevaleçam os verdadeiros valores do futebol. Contamos com o seu apoio."

A prevenção e detecção da viciação de resultados é uma prioridade para a UEFA há muitos anos, a nível nacional e internacional. "A integridade desportiva é um dos 11 valores-chave da nossa organização”, recordou o secretário-geral da UEFA. "As apostas são uma fonte de financiamento, mas também um risco para o futebol, especialmente no que toca à integridade das competições. O nosso principal objectivo tem de continuar a ser o empenho total na protecção da integridade desportiva e a garantia do normal decorrer de todas provas para preservar o verdadeiro espírito do nosso desporto."

O secretário-geral da UEFA explicou que a UEFA aborda esta questão segundo três vectores: prevenção através da educação, monitorização e relatórios em resultado da cooperação com a indústria das apostas e resposta por meio de castigos e sanções disciplinares. No ano passado, a UEFA e a Interpol comprometeram-se a reforçar a relação de trabalho e a troca de informações entre as duas organizações.

A UEFA tem utilizado a plataforma educacional proporcionada pelas fases finais dos torneios dos escalões jovens para alertar os jogadores sobre estes riscos. Apresentações e “workshops” têm repetido a mensagem de que a viciação de resultados é "fazer batota para perder". O Conselho Estratégico para o Futebol Profissional também reconheceu a ameaça da viciação de resultados ao adoptar uma resolução na qual convidou a UEFA a intensificar e a alargar o seu programa de formação em cooperação com federações, clubes, ligas e sindicatos de jogadores a nível europeu e nacional.

Infantino falou do sofisticado Sistema de Detecção de Fraude nas Apostas criado pela UEFA e que monitoriza todos os jogos das competições europeias, cerca de 2000 por época, assim como mais de 30 mil encontros dos campeonatos e das taças nas 53 federações-membro. "Sabemos que mais de 99 por cento dos jogos que monitorizamos não mostram qualquer padrão irregular de apostas", sublinhou. "No entanto, é inaceitável que exista menos de um por centro de jogos com padrões irregulares."

A conferência de Roma contou na assistência com os agentes de integridade que a UEFA colocou nas 53 federações suas filiadas e que estão a trabalhar para combater a viciação de resultados a nível nacional, ajudando a criar programas educacionais para jogadores, árbitros e treinadores, para além de fazerem a ligação com a UEFA sobre qualquer assunto relacionado com a integridade dos jogos ou das equipas que participam nas competições da UEFA. "A UEFA está a construir um banco de dados alargado, com informações relativas aos jogos e dados oriundos de diversas fontes, que nos permite cooperar com as autoridades policiais e os diversos ministérios público nas suas investigações em casos relacionados com a corrupção de jogos”, recordou Infantino.

"Vamos penalizar severamente todos aqueles que manipularem o resultado de um jogo", destacou. "Temos colaborado com as autoridades policiais para termos a certeza que estas actividades criminosas serão travadas e que este cancro é erradicado do desporto, antes que se torne incontrolável. É um grande desafio, mas estamos preparados. A nossa política de 'tolerância zero' em relação à viciação de resultados já levou a que jogadores e árbitros tenham sido proibidos de ter qualquer envolvimento no futebol e levou clubes a serem excluídos das competições da UEFA”.

"Tivemos conversações muito proveitosas com membros da União Europeia e do Parlamento Europeu de forma a tornar a fraude desportiva como uma infracção penal específica em todos os Estados-membrosa. Para isso, o Comité Executivo da UEFA manifestou recentemente o desejo que a fraude desportiva passe a ser considerada crime nas legislações nacionais por toda a Europa, pois a cooperação das autoridades judiciais é fundamental para tentar acabar com a viciação de resultados."

O secretário-geral da UEFA citou ainda o Presidente da UEFA, Michel Platini: "Seríamos obrigados a parar se começarmos a conhecer os resultados dos jogos antes do seu início. As crianças teriam de parar de jogar futebol, as pessoas teriam que deixar de ir aos estádios. Vamos recorrer a todos os meios necessários para combater os batoteiros."

Topo