"Marco histórico" para o futebol europeu

A UEFA descreveu a notícia de que os seus objectivos de "fair play" financeiro estão de acordo com as políticas da União Europeia como "um marco histórico" para o futebol.

O Secretário-Geral da UEFA, Gianni Infantino, fala durante a conferência de imprensa do Comité Executivo
O Secretário-Geral da UEFA, Gianni Infantino, fala durante a conferência de imprensa do Comité Executivo ©UEFA.com

A UEFA regozijou-se com a confirmação por parte da Comissão Europeia de que existe coerência entre os objectivos do fair play financeiro da UEFA e as políticas da União Europeia (UE) de ajuda aos Estados-membro, descrevendo este avanço positivo como um "marco histórico" para o futebol europeu e esforços da UEFA de trazer maior estabilidade financeira a longo prazo à modalidade.

Esta quarta-feira, o Presidente da UEFA, Michel Platini, e o vice-presidente da Comissão Europeia e comissário responsável pela concorrência, Joaquín Almunia, emitiram uma declaração conjunta sobre a questão, com Platini a agradecer a Almunia e à Comissão Europeia pelo "empenho, espírito construtivo e cooperação neste processo conjunto".

A UEFA acredita que as regras de fair play financeiro irão salvaguardar o futuro do futebol de clubes e que o apoio contínuo da Comissão Europeia, e de todos os parceiros, são encarados como um incentivo à continuação da implementação das medidas de fair play financeiro.

Os objectivos do fair play estão estabelecidas no Regulamentos de Licenciamento de Clubes e Fair Play Financeiro da UEFA e visam disciplinar as finanças dos clubes de futebol e impedir os excessos que deixaram muitos clubes em dificuldades financeiras. Estas medidas incluem a obrigação de os clubes atingirem o equilíbrio financeiro, não gastando mais do que aquilo que ganham, e de se comportarem de forma responsável de forma a proteger a viabilidade a longo prazo do futebol europeu.

Foi criado um Painel de Controlo Financeiro dos Clubes com o intuito de monitorizar e garantir que os clubes seguem as medidas do fair play financeiro. Estas medidas estão a ser implementadas ao longo de um período de três anos, com a avaliação do "equilíbrio" a cobrir os resultados finais dos anos financeiros de 2012 e 2013 a ser feita em 2013/14 – a começar com a apreciação por parte do Painel de Controlo Financeiro dos Clubes de todas as transferências e folhas salariais desde o Verão de 2011.

"É uma declaração conjunta muito importante", comentou esta quarta-feira o Secretário-Geral da UEFA, Gianni Infantino, depois da reunião de dois dias que o Comité Executivo da UEFA realizou em Istambul. "Realizámos muito trabalho para chegar até este ponto, trabalhámos muito em conjunto com os serviços do comissário [Joaquín Almunia]."

"É difícil avaliar a importância desta decisão, para nós é um grande passo, um marco histórico na aplicação dos regulamentos de fair play financeiro que têm o apoio de todos os clubes, assim como das Ligas e dos sindicatos dos jogadores. Este é um compromisso inequívoco da Comissão Europeia. Esta declaração também apela a uma maior cooperação entre a UEFA e a Comissão Europeia para discutir outras matérias. Abordámos o fair play financeiro e vamos continuar esta cooperação com a Comissão Europeia, que tem sido muito frutuosa."

Infantino reiterou a necessidade de regulamentação do fair play financeiro para fazer face a alguns sinais preocupantes na modalidade, que foram confirmados recentemente pelos números do relatório de avaliação comparativa de licenciamento, que destaca os problemas das dívidas que atingem muitos clubes, com metade dos principais emblemas europeus a apresentarem despesas e prejuízos crescentes."

"Quando começámos com esta ideia do fair play financeiro, falámos com os clubes, federações e Ligas e convencemos todos que tínhamos de o fazer. É uma pena e todos ficamos tristes por aquilo que está a acontecer, com muitos clubes tradicionais a entrarem em falência. Isto mostra que é necessário um maior controlo e boas regras, para além da sua aplicação. Considero que estes casos estão a abrir os olhos daqueles que os tinham fechados e mostram que algo tem de ser feito."

Topo