Arena Belgrade - Belgrado 13-02-2016 - 21:00CET (21:00 Hora locallocal)

Final

Rússia - Espanha
3-7
 

Rússia - Espanha 3-7 - 13-02-2016 - Página do jogo - Futsal EURO 2016

O "site" oficial do futebol europeu

Rússia-Espanha: antevisão da final do Futsal EURO

Publicado: sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2016, 20.18CET
Rússia e Espanha vão medir forças pela quinta vez numa final do UEFA Futsal EURO. O UEFA.com dá a conhecer tudo aquilo que precisa de saber sobre a grande decisão da prova que decorre em Belgrado.
por Paul Saffer, Dmitri Mamykin e Nuno Tavares
de Belgrado
Rússia-Espanha: antevisão da final do Futsal EURO
Conseguirá a Rússia finalmente vencer após ter perdido as duas últimas finais? ©Getty Images

Estatísticas da prova

Rússia
Espanha

13

Golos marcados

20

160

Total de tentativas

158

51

Remates à baliza

64

56

Remates para fora

51

53

Remates defendidos

43

1

nos postes

6

40

Cantos

35

6

Cartões amarelos

2

1

Cartões Vermelhos

0

24

Faltas cometidas

16

27

Faltas sofridas

26

Dossiers de Imprensa

Classificação

 
  
Publicado: sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2016, 20.18CET

Rússia-Espanha: antevisão da final do Futsal EURO

Rússia e Espanha vão medir forças pela quinta vez numa final do UEFA Futsal EURO. O UEFA.com dá a conhecer tudo aquilo que precisa de saber sobre a grande decisão da prova que decorre em Belgrado.

A Rússia tem jogadores muito bons e esses jogadores podem suprir a ausência do suspenso Eder Lima
José Venancio López, seleccionador da Espanha

A final do UEFA Futsal EURO 2016 vai ser disputada entre a Rússia e a Espanha, repetindo-se o cenário de 1996, 1999, 2005 e 2012. Todos os sinais apontam para mais um épico embate na Arena Belgrade.

Dessas quatro anteriores finais, a Rússia apenas venceu uma, mais concretamente em 1999 (nos penalties), mas triunfou por 4-3 (após prolongamento) no mais recente jogo entre ambas nas meias-finais de 2014. em Antuérpia. Esse foi mesmo o primeiro sucesso russo frente à Espanha sem o recurso ao desempate por grandes penalidades. A Rússia viria a ser derrotada pela Itália na final, por sinal o seu quarto desaire em cinco presenças na final. Já a Espanha venceu seis em sete, com a sua derrota em 2014 a colocar um ponto final num reinado de nove anos e quatro torneios.

A Espanha chegou a Belgrado abalada pelas lesões de importantes jogadores ofensivos como Adri, Aicardo, Sergio Lozano e Fernandao, mas leva uma média de cinco golos por jogo até à final, tendo estado apenas brevemente por uma vez em desvantagem, frente ao Cazaquistão, nas meias-finais. A Rússia teve um percurso menos impressionante, precisando novamente de um golo no prolongamento, nas meias-finais, para afastar a anfitriã Sérvia, sendo que não vai poder contar com o vencedor da Bota de Ouro em 2014, Eder Lima, devido a castigo. Nesta sexta-feira, toda a equipa russa ficou confinada ao seu hotel, devido a um surto de gripe. Porém, tendo atingido a sua terceira final consecutiva, o estatuto da Rússia como "equipa de torneio" ficou uma vez mais bem patente.

Voz aos treinadores:
Sergei Skorovich, seleccionador da Rússia

Não fomos os únicos que sentimos dificuldades para estar na final, pois a Espanha também teve jogos muito complicados. A única partida onde tiveram o jogo praticamente controlado desde o início foi contra Portugal. Até mesmo a meia-final frente ao Cazaquistão não foi nada fácil para eles.

Quanto a nós, ainda temos suficiente energia emocional e a nossa condição física também é boa. É óbvio que vamos fazer tudo para vencer a final. Penso que, em termos psicológicos, temos vantagem. Já os defrontámos muitas vezes. Na maior parte das vezes os jogos foram muito equilibrados, mas acabámos sempre por perder. Contudo, conseguimos finalmente batê-los na última ocasião em que medimos forças, pelo que penso que a bola está agora do nosso lado.

É uma pena que o Eder Lima não vá jogar e representa uma grande perda para nós. Compreendo as razões que o levaram a ver um segundo cartão amarelo, mas ainda assim lamento por ele, uma vez que vai falhar a final. Mas a vida é assim mesmo e nós vamos ter de encontrar uma forma de vencer sem o seu contributo.

José Venancio López, seleccionador da Espanha
Espero que possamos manter o nosso nível na final e, se possível, melhorar um pouco aquele que tem sido o nosso desempenho neste torneio. O nosso objectivo é continuar a melhorar a cada jogo. Essa é a linha que temos seguido nesta competição e o jogo da final terá que ser o nosso melhor.

Sabemos que a Rússia tem uma grande equipa e eles atingiram a final porque são uma das melhores equipas do Mundo. Vai ser uma final muito complicada, mas também um excelente expectáculo. A Rússia tem jogadores muito bons e esses jogadores podem suprir a ausência do suspenso Eder Lima. Lima é um jogador importante porque marca muitos golos e é sempre bom para uma equipa poder contar com jogadores desses. No entanto, eles têm outros jogadores talentosos e não creio que o seu nível vá descer por causa dessa ausência.

A Rússia sentiu problemas na meia-final contra a Sérvia, mas eles têm sido muito consistentes ao longo da prova. A Rússia tem vindo a melhorar desde o primeiro dia e tenho a certeza que se vão apresentar no seu melhor amanhã.

Caminho até à final
Rússia: Cazaquistão 2-1, Croácia 2-2 (vencedora do Grupo C), Azerbaijão 6-2, Sérvia 3-2 (ap)

Espanha: Hungria 5-2, Ucrânia 4-1 (vencedora do Grupo B), Portugal 6-2, Cazaquistão 5-3

Confronto directo: Em 20 jogos, a Rússia venceu um e perdeu 16, registando-se ainda três empate. Golos: Rússia 39-73 Espanha

Factores-chave

  • A Espanha tem impressionado mais do que a Rússia ao longo do torneio, com seis jogadores diferentes a marcarem um total de 20 golos, contra os 13 apontados por apenas quatro jogadores da Rússia. Este é um jogo totalmente diferente, mas a verdade é que a Rússia é a equipa que terá de melhorar mais para a decisão de sábado, isto frente a uma adversária que já vai em 26 vitórias consecutivas desde que perdeu essa meia-final em 2014.
  • A ausência de Eder Lima priva a Rússia de uma das suas maiores referências goleadoras e logo numa altura em que o jogador nascido no Brasil estava a encontrar-se com os golos.
  • Gustavo (Rússia) e Paco Sedano (Espanha) têm estado muito bem nas respectivas balizas ao longo do torneio, com as suas presenças a garantirem mais um jogo muito equilibrado; Venancio López diz mesmo que o vencedor poderá ser decidido no desempate por penalties.

Jogadores a seguir
Rússia: Robinho
– Foi ele o autor do golo no prolongamento que decidiu a meia-final em 2014, numa partida onde foi a grande estrela da noite; face à ausência de Eder Lima, a preponderância de Robinho no processo ofensivo será ainda mais importante.

Espanha: Miguelín – A Espanha perdeu vários jogadores importantes no ataque pouco antes do início do torneio, mas Miguelín (Murcia) está presente e em grande forma. O atleta de 29 anos de idade tem brilhado nas assistências para golo e na finalização, sendo provavelmente o maior rival de Ricardinho na discussão do melhor jogador da prova.

Melhores golos em finais

Finais
2014: Itália 3-1 Rússia; Antuérpia, Bélgica
2012: Espanha 3-1 Rússia (ap); Zagreb, Croácia
2010: Espanha 4-2 Portugal; Debrecen, Hungria
2007: Espanha 3-1 Itália; Porto, Portugal
2005: Espanha 2-1 Rússia; Ostrava, República Checa
2003: Itália 1-0 Ucrânia; Caserta, Itália
2001: Espanha 2-1 Ucrânia (golo de ouro); Moscovo, Rússia
1999: Rússia 3-3 Espanha (ap, 4-3 pen); Granada, Espanha
1996*: Espanha 5-3 Rússia; Cordoba, Espanha

*Torneio Europeu de Futsal, o estatuto de campeonato surgiu a partir de 1999

Última actualização: 12-02-16 20.19CET

Informação relacionada

https://pt.uefa.com/futsaleuro/season=2016/matches/round=2000607/match=2018946/prematch/preview/index.html#russia+espanha+antevisao+final