Análise ao Futsal EURO: Parte 2 - os vencedores

"Quando o comboio passa, há que aproveitar a boleia", explicou o seleccionador italiano, Roberto Menichelli, ao recordar o triunfo da sua equipa no Futsal EURO 2014.

O seleccionador de Itália, Roberto Menichelli, recordou o sucesso da sua equipa no UEFA Futsal EURO 2014, o primeiro na história da competição daquele país.

Após 11 anos de espera, a Itália conseguiu por fim, em Fevereiro, juntar um novo título europeu de futsal ao conquistado em 2003, erguendo o troféu em Antuérpia, após bater na final, por 3-1, a Rússia, que nas meias-finais tinha afastado a Espanha, campeã em título. O seleccionador italiano, Roberto Menichelli, recorda ao UEFA.com o percurso da sua equipa.

UEFA.com: Como conseguiu levantar o moral da sua equipa depois de a Itália ter saído derrotada do primeiro jogo, frente à Eslovénia?

Menichelli: O nosso objectivo era vencer o grupo, mas esse primeiro jogo tornou tudo mais complicado. Contudo, olhar para trás e analisar o que tínhamos feito mal foi positivo para nós. Perdemos frente a uma equipa forte. Essa derrota gerou uma resposta poderosa da nossa parte, o que nos ajudou a bater o Azerbaijão [7-0] e terminar no primeiro lugar do nosso grupo, o que em teoria nos daria um adversário mais fácil nos quartos-de-final...embora não tenha sido bem assim, frente a uma Croácia que vencemos apenas por 2-1.

UEFA.com: Seguiu-se Portugal, que tinham batido de forma emocionante no Campeonato do Mundo de 2012. Que importância teve essa vitória para moralizar as suas tropas para este encontro?

Menichelli: Uma vitória faz sempre crescer o moral e o entusiasmo. Não há dúvidas quanto a isso. A Itália nunca perdeu um jogo oficial com Portugal, mas não sabia disso antes do nosso último embate. Todos os jogos que disputamos com Portugal são extremamente equilibrados, quase sempre decididos por um golo de diferença.

Marcámos primeiro, mas eles deram a volta e fizeram o 2-1. Foi um momento delicado para nós a nível mental, mas nada comparável com o que vivemos no Mundial, em que chegámos a estar a perder por 3-0 na primeira parte antes de virarmos o marcador e vencermos por 4-3. Desta feita estivemos a perder por 2-1 e a situação também era complicada, mas uma vez mais conseguimos dar a volta aos acontecimentos.

UEFA.com: Como preparou a sua equipa para a final?

Menichelli: A motivação já lá estava. Não é todos os dias que a Itália joga a final de um EURO. Nunca se sabe quando tal vai voltar a acontecer. Há um ditado que diz: "Quando o comboio está a passar, há que saltar lá para dentro para não o deixar fugir." Não podemos deixar que ele se vá embora.

UEFA.com: Estiveram quase 12 mil espectadores a assistir à final. Como foi entrar no recinto e ver todos aqueles adeptos?

Menichelli: Foi uma enorme satisfação para jogadores, treinadores, e creio que para todo o futsal: mostra que se trata de um desporto de alta qualidade, se olharmos para o número de adeptos presentes. Trata-se de um desporto "indoor", pelo que 13 mil correspondem quase a 50 mil adeptos num qualquer jogo de futebol ou râguebi disputado num recinto aberto.

Muitos desses 13 ou 14 mil espectadores eram italianos, parte deles vindos propositadamente de Itália e outros oriundos da Bélgica, onde trabalham. Eles mostraram toda a sua paixão por nós, seguiram-nos e, de certa forma, empurraram-nos para a vitória na final.

UEFA.com: O que sente ao recordar o triunfo da Itália, agora que já teve algum tempo para reflectir?

Menichelli: Foi fantástico. Antes do evento não éramos propriamente vistos como favoritos, pois há que ter em conta equipas como a Espanha ou a Rússia. Porém, sabemos que temos capacidade para jogar de igual para igual com as melhores formações. E conseguimos vencer, penso que merecidamente. A nossa qualidade foi melhorando jogo após jogo e penso que o nosso triunfo acabou por ser justo.

Topo