O "site" oficial do futebol europeu

Itália destaca colectivo, Portugal inconformado

Publicado: Quinta-feira, 6 de Fevereiro de 2014, 23.14CET
"Dizer que foram excepcionais não lhes faz justiça", afirmou Roberto Menichelli sobre os jogadores da Italia, enquanto Portugal lamentou as demasiadas ocasiões perdidas.
por Paolo Menicucci e Nuno Tavares
de Sportpaleis

O conteúdo é transmitido de forma a que seja protegido e apenas disponível no formato flash. O seu aparelho não parece ser compatível com o leitor vídeo de flash.

 

Fotografias

  • Bebe (Portugal) & Bebe (Spain)
  • Portugal v Spain - UEFA Futsal EURO 2018 Final
  • João Matos (Portugal)
  • Tunha (Portugal)
Publicado: Quinta-feira, 6 de Fevereiro de 2014, 23.14CET

Itália destaca colectivo, Portugal inconformado

"Dizer que foram excepcionais não lhes faz justiça", afirmou Roberto Menichelli sobre os jogadores da Italia, enquanto Portugal lamentou as demasiadas ocasiões perdidas.

Roberto Menichelli, seleccionador de Itália
Não consigo encontrar palavras para descrever o que os meus jogadores fizeram esta noite. Dizer que foram excepcionais não lhes faz justiça. Hoje tivemos um contributo enorme de um jogador como o Massimo De Luca, que ainda não tinha aparecido no torneio. Este é o nosso espírito, a equipa está em primeiro lugar.

Estou muito satisfeito com o nosso trabalho nos últimos anos, não apenas em relação à parte táctica e técnica. A selecção está a conquistar o amor de um número crescente de adeptos, e com as suas exibições convencem as pessoas a virem ver os jogos, e isso é excelente para o futsal italiano. Acima de tudo estou feliz pela nossa consistência, pois ficámos em terceiro lugar nos últimos dois grandes torneios [no UEFA Futsal EURO 2012 e no Campeonato do Mundo, nesse mesmo ano] e agora vamos ter mais uma medalha, no sábado veremos qual é.

Portugal é excelente e não o digo por dizer. Tem muito bons jogadores e um treinador excelente. O jogo de hoje foi decidido nas alas. A nossa reacção após o descanso foi o que mais gostei, não é fácil recomeçar a perder por 2-1 depois de chegar cedo à vantagem. Reorganizámo-nos nos balneários e colocámos tudo no lugar na segunda parte com um excelente desempenho colectivo. Este é um dos dias mais felizes como seleccionador de Itália, fizemos alguns bons jogos nos últimos anos, mas este está certamente entre eles.

Gabriel Lima, capitão da Itália
Mais uma batalha, aqui nada é fácil, percebemos isso claramente após perdermos no primeiro jogo da competição e que nos colocou perante um desafio árduo. Mas, mais uma vez, jogámos com o coração, paciência e cabeça e conseguimos.

[O seu melhor jogo por Itália?] Penso que sim. Podia ter feito melhor durante a competição, mas penso que ser o capitão dá-me uma certa responsabilidade, mas retira-nos algo em termos de desempenho. Dá-se tudo pela equipa mas não se consegue jogar ao  melhor nível. Estava plenamente ciente disso, mas acho que hoje estive bem.

[Uma selecção unida foi a chave para o triunfo da Itália?] Penso que essa é a análise correcta do jogo. Temos uma grande equipa e se me perguntar quem considero o melhor jogador do torneio posso nomear 14 diferentes. Hoje, os meus parabéns vão para o Massimo [De Luca] que chegou a esta partida sem ter disputado um único minuto no torneio e foi um dos melhores em campo. Partindo daqui penso que é compreensível a força da nossa equipa.

Conhecemos demasiado bem as meias-finais e o jogo de atribuição do terceiro e quarto lugar. Com esta equipa nunca chegámos a uma final, mas o nosso momento chegou e queremos continuar assim.

Jorge Braz, seleccionador de Portugal
Conseguimos ser fiéis a nós mesmos, ambiciosos e organizados mas talvez tenhamos pecado por excesso de entusiasmo, o que nos levou a cometer alguns erros. Deveríamos ter sido mais pragmáticos. Começámos o jogo a sofrer um golo mas depois produzimos o suficiente para dar a volta ao marcador. Eles fizeram o 3-2 e tivemos várias ocasiões para empatar mas fomos infelizes e sofremos outro golo. Mesmo depois disso não desistimos e chegámos ao 4-3, antes de falhar várias oportunidades para forçar o prolongamento.

Falhámos em pequenas situações defensivas mas, por incrível que pareça, cometemos muito mais erros quando tivemos a bola e no ataque. Se pusermos isto tudo numa balança torna-se muito difícil vencer. Até aqui tínhamos estado muito bem na finalização, mas hoje não fomos capazes de o fazer contra uma equipa forte como a Itália.

Não vamos à final mas não é o fim do mundo. Penso que demos um passo em frente, melhorámos numa série de aspectos, mas a verdade é que queremos mais. Todas as experiências servem para melhorarmos e esta fez-nos melhorar ligeiramente. Agora temos de levantar a cabeça e começar a pensar no jogo do terceiro e quarto lugar.

Joel Queirós, avançado de Portugal
Durante alguns períodos não estivemos ao nosso nível. Talvez nos primeiros cinco minutos da primeira eles foram superiores e fizeram-nos pagar por isso. Eles chegaram ao empate [no início da segunda parte] e talvez não tenhamos reagido bem ao 2-2. Mesmo assim, dispusemos de inúmeras oportunidades contra uma poderosa selecção italiana. Eles defendem e atacam muito bem mas, esta noite, penso que fomos melhores do que eles. Mostrámos que somos superiores mas, infelizmente, não foi suficiente.

A nossa finalização não foi tão boa e, além disso, fomos infelizes em mais do que uma ocasião. O nosso registo contra a Itália [uma vitória em 18 jogos] é apenas isso: estatística. Não conta para nada e não perdemos por causa de um qualquer estigma contra eles. Como disse, provámos isso, pelo menos neste momento, somos mais fortes do que a Itália. Estas partidas são sempre muito renhidas e normalmente decididas nos detalhes. Esta noite os detalhes sorriram à Itália.

Última actualização: 17-04-14 9.03CET

Informação relacionada

Perfis dos jogadores
Perfis dos treinadores
Perfis das equipas
Jogo relacionado

http://pt.uefa.com/futsaleuro/season=2014/matches/round=2000400/match=2013138/postmatch/quotes/index.html#italia+destaca+colectivo+portugal+inconformado