Torras e os segredos dos títulos de Espanha

Se a Espanha conseguir nas próximas semanas vencer pela quinta vez consecutiva o Futsal EURO, Torras terá contribuído para todos os títulos. O veterano antevê a fase final e recorda triunfos passados.

Torras comemora o triunfo de Espanha em 2012
©Action Images

Na quarta-feira, a Espanha começa a lutar pelo quinto título consecutivo no Campeonato da Europa de Futsal e, se tiver sucesso, Torras terá contribuído para todos eles.

O jogador do FC Barcelona está há uma década ao serviço da selecção espanhola, venceu o Campeonato do Mundo de 2004 e os títulos europeus em 2005, 2007, 2010 e 2012, ano em que cinco golos e uma assistência lhe valeram a conquista da Bota de Ouro adidas. Depois do adeus à selecção de colegas de equipa como Luis Amado, Kike e Álvaro, o versátil Torras é, aos 33 anos, o jogador espanhol mais velho presente no Campeonato da Europa de Futsal de 2014, em Antuérpia, onde a Espanha vai medir forças com a Croácia e a República Checa no Grupo D. O espanhol falou ao UEFA.com sobre mais este desafio e sobre os triunfos passados.

UEFA.com: Qual o significado de participar nesta fase final na Bélgica?

Torras: Não é fácil estar no Europeu e quando se joga por Espanha existe sempre uma pressão suplementar. Somos os favoritos, pois vencemos os últimos quatro Europeus. O nosso objectivo é continuar a ganhar títulos. Sabemos que é difícil, mas para os jogadores esta é a melhor competição, um evento fantástico.

UEFA.com: Qual seria a sensação de conquistar o título pela quinta vez?

Torras: Significaria que as selecções de Espanha têm vindo a trabalhar bem. Não se sentem as mudanças de geração na equipa. Isso é o resultado de continuarmos a ganhar títulos e penso que isto ainda vai continuar por mais algum tempo. Um dos pontos fortes da selecção de Espanha é que um dos objectivos é a concentração no grupo. Sem um grupo unido seria difícil alcançar o quinto título.

UEFA.com: Qual dos quatro títulos que conquistou é o mais especial?

Torras: Dou importância a todos os troféus que conquistei, independentemente do nível, mas, ao olhar para os quatro títulos europeus, tendo em linha de conta a forma como tudo correu e as dificuldades que tivemos de ultrapassar, teria de destacar o conquistado em Portugal, em 2007. Sofremos muito na meia-final ante Portugal, onde estivemos a perder por 2-0 [vencendo depois no desempate]. Talvez este tenha sido o mais importante. A nível pessoal, e devido aos números impressionantes de espectadores, o Europeu da Croácia também foi muito importante.

UEFA.com: Com o abandono de vários colegas, tornou-se o jogador mais velho...

Torras: Sim, sou uma espécie de líder, mas a minha preocupação é ajudar os meus colegas em qualquer circunstância. Tenho de ser sempre o mais calmo quando, por exemplo, é preciso tomar decisões, dentro ou fora de campo.

Topo