O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Tveryankin não esconde ambição

O guarda-redes do Azerbaijão, Andrey Tveryankin, diz-se "confuso" em relação à Ucrânia, adversário dos quartos-de-final, mas garante: "Se quisermos ficar conhecidos temos de derrotá-los".

O guarda-redes Andrey Tveryankin quer que o Azerbaijão mostre ambição frente à Ucrânia
O guarda-redes Andrey Tveryankin quer que o Azerbaijão mostre ambição frente à Ucrânia ©Sportsfile

O guarda-redes do Azerbaijão, Andrey Tveryankin, diz-se "confuso" sobre o adversário dos quartos-de-final, a Ucrânia, mas garante: "Se quisermos ficar conhecidos e se temos ambições, então temos de derrotá-los".

Jogos diferentes
Atleta mais velho presente na fase final, com 42 anos, Tveryankin disse ao uefa.com não ter ficado completamente convencido sobre o segundo classificado do Grupo B. "Estou confuso quanto a eles", afirmou. "Sei que são uma boa equipa, mas fizeram dois jogos completamente diferentes. Frente à Bélgica, foram confiantes e dinâmicos, mas não sei o que se passou frente à Itália".

Ambição azeri
O Azerbaijão, estreante na fase final, chegou ao Campeonato da Europa de Futsal sem qualquer reputação, mas rapidamente se tornou numa equipa a recear pelos adversários após vencer o Grupo A, o que levou Tveryankin a comentar: "Se quisermos ficar conhecidos e ter quaisquer ambições, então temos de derrotá-los. A psicologia será determinante, enquanto a técnica passará para plano secundário".

Limite
A selecção dirigida por Alesio inclui jogadores nascidos tanto no Brasil como na Rússia, mas Tveryankin insiste que se sentem com o coração 100 por cento azeri. "Todos dizem que somos apenas brasileiros naturalizados, mas estes jogadores representam as cores do Azerbaijão, o que os torna azeris. Até onde poderemos chegar? Apenas este jogo o dirá", assinalou o guarda-redes.

Equipa desconhecida
As duas selecções nunca se defrontaram anteriormente, mas, tal como a maioria dos seus adversários descobriram na fase final, os encontros anteriores com o Azerbaijão pouco tiveram a ver com os jogos frente ao multi-étnico conjunto liderado por Alesio. Apenas trouxe 12 jogadores para a fase final (em vez dos 14 habituais), mas sem quaisquer problemas disciplinares ou lesões isso constitui não problema.

Permanecer em Debrecen
Segunda classificada do Grupo B, a equipa de Gennadiy Lysenchuk não pretende mudar-se de Debrecen para Budapeste, conforme disse o técnico: "Habituámo-nos ao ambiente de Debrecen e não queremos mudar". Após ter trocado o desinspirado guarda-redes Vladyslav Lysenko por Volodymyr Kardash a meio da derrota por 4-2 frente à Itália, Lysenchuk terá agora de decidir em qual dos dois guardiões irá apostar de início.

O plano de Cheporniuk
Entretanto, o jogador Serhiy Cheporniuk admitiu ter ficado surpreendido pelo sucesso da equipa de Alesio. "Honestamente, não esperava que os estreantes do torneio estivessem tão bem. É crucial não sofrermos golos primeiro ou os brasileiros sentir-se-ão à vontade, mantendo a posse de bola e fazendo rápidos contra-ataques, que são os seus pontos fortes. Eles vão querer a posse da bola desde o início, mas tentaremos contrariá-los".