Pragmatismo dá titulo à Itália

Itália 3-1 Rússia
Com uma exibição plena de confiança e entreajuda, os italianos resolveram a final ainda na primeira parte perante uma Rússia impotente.

Pragmatismo dá titulo à Itália
©UEFA.com

A Itália derrotou a Rússia por 3-1 e conquistou o segundo título de campeã europeia de futsal, depois de já ter alcançado igual glória em 2003, numa final inédita disputada no Sportpaleis, em Antuérpia, e em que o seu plano de jogo resultou em pleno e acabou decidida antes do intervalo.

O ímpeto inicial da Rússia, em que Éder Lima, por quatro vezes, tentou bater Stefano Mammarella, não produziu o efeito desejado e o reverso da medalha sucedeu quando a Itália passou a gerir o jogo. Muito compacta na pressão e sem nunca se precipitar, a equipa de Roberto Menichelli fez surgir o trabalho de laboratório quando Saad (6,02) bateu um canto para a explosão de Gabriel Lima.

Os russos acusaram a desvantagem e a Itália aproveitou para crescer e antes de Éder Lima restabelecer o empate (9,33) com um disparo à meia volta, Fortino perdeu um golo na cara de Gustavo (8,43).

E se o Lima russo entrou para a história ao tornar-se no primeiro jogador a marcar oito golos numa fase final, o homónimo italiano (11,49) acertou em Gustavo antes de fazer a assistência (13,50) que Murillo transformou no 2-1 para Itália.

Segundos antes de Daniel Giasson fazer o 3-1 (18,56), num remate em trivela a concluir um raro contra-ataque sem marcação e fazer o resultado com que se chegou ao descanso, Éder Lima (18,39) obrigou Mamarella a desvio sobre a barra.

Após o descanso, a Itália continuou com a sua exibição autoritária perante uma equipa russa mais ousada mas sem ideias e que se mostrava incapaz de aproveitar as raras perdas de bola de Itália. Em resposta, Saad (27,6) acertou no poste.

A sete minutos do fim, a Rússia – com Nikolai Pereverzev como guarda-redes avançado – quase marcou mas Sergei Sergeev (33,33) acertou na trave para, logo depois, Cirilo ver o segundo amarelo e deixar a sua equipa em desvantagem por dois minutos. Gustavo, com uma série de duas boas defesas, evitou que Gabriel Lima (35,22) e Vampeta (35,37) dilatassem a vantagem.

Éder Lima (38,20) acertou no poste na fase de maior assédio russo, em que o desespero de quem precisava de marcar não conseguiu desmobilizar a compacta defesa da Itália, numa final que chegou ao fim sem golos na segunda parte.

Topo