Rússia chega à final e põe fim ao reinado de Espanha

Rússia 4-3 Espanha (após prolongamento)
A Rússia vai defrontar a Itália na final após pôr fim à tentativa da Espanha em conquistar o quinto título seguido, obra do golo de Robinho no fim do tempo extra.

Rússia chega à final e põe fim ao reinado de Espanha
©UEFA.com

A Rússia está na final do UEFA Futsal EURO 2014, na qual vai defrontar a Itália, depois de ter batido a Espanha por 4-3, após prolongamento, num jogo emocionante decidido com um golo de Robinho a 66 segundos do fim.

Naquela que foi uma reedição da final passada da prova, bem como em 1996, 1999 e 2005, a Rússia levou a melhor sobre a Espanha, contra a qual perdera os últimos oito jogos disputados. Apesar de se manter invicta em 40 minutos há 141 jogos, a selecção espanhola vê-se assim arredada da corrida pelo quinto título europeu consecutivo e terá de contentar-se em disputar com Portugal o jogo de atribuição do terceiro lugar.

As primeiras grandes ocasiões de golo pertenceram aos espanhóis, com Lín e Miguelín a falharem o alvo por pouco. Só a meio do primeiro tempo a Rússia conseguiu responder e criar real perigo, num lance individual de Kutuzov, que obrigou Rafa a defesa apertada.

Foi, porém, um lance esporádico e a Espanha voltou à carga. Lín desperdiçou nova oportunidade, antes de os campeões em título chegarem mesmo ao golo, numa excelente jogada colectiva, com Raúl Campos a assistir, de calcanhar, Pola para o 1-0.

A Espanha recolheu aos balneários em vantagem, mas a Rússia regressou com outra postura para os segundos 20 minutos. Rafa ainda evitou, de forma espectacular, o empate, mas Sergeev, com um remate fulminante, restabeleceu a igualdade, pouco depois.

O encontro passou, a partir daí, a ser disputado a grande velocidade e, num minuto 26 verdadeiramente louco, o marcador alterou-se por três vezes. A Rússia deu a volta ao resultado depois de Dmitri Lyskov aproveitar uma desatenção da defesa contrária, Espanha respondeu de imediato e Rafael Usin fez o 2-2, mas poucos segundos mais tarde Aleksandr Fukin recolocou a Rússia na frente.

Com o 3-2 a manter-se e os minutos a passarem, o seleccionador espanhol,  José Venancio López, viu-se obrigado a apostar em Miguelín como guarda-redes avançado, e foi mesmo este a restabelecer novamente a igualdade, levando a decisão do encontro para o prolongamento. Aí, a Rússia foi mais forte e chegou ao golo da vitória por intermédio de Robinho, a um minuto do fim.

Topo