Itália bate Portugal e está na final

Portugal 3-4 Portugal
A selecção portuguesa não conseguiu quebrar a maldição italiana e falhou a presença na final da competição.

Itália bate Portugal e está na final
©UEFA.com

A Itália garantiu a presença na final do UEFA Futsal EURO 2014, ao derrotar Portugal por 4-3 na primeira das meias-finais disputada no Sportpaleis, em Antuérpia.

Portugal entrou a todo o gás no encontro e Ricardinho teve dois remates perigosos nos primeiros 46 segundos, com o primeiro a errar o alvo e o segundo a obrigar Stefano Mammarella a uma excelente defesa. O seleccionador português tinha avisado que quem errasse menos saíria vencedor, mas foi precisamente a sua equipa a primeira a falhar.

Estavam decorridos 59 segundos quando Saad cobrou um canto no lado direito e endossou o esférico ao desmarcado Gabriel Lima, que bateu João Benedito com um potente disparo. Portugal não acusou o toque e continuou a pressionar, com Ricardinho a acertar no poste aos cinco minutos, após uma brilhante jogada individual.

Portugal era mais dominante, mas alguma imprecisão no último passe ia adiando o golo do empate, isto quando não era Mammarella a fazer uso de todos os seus recursos. Ricardinho isolou-se aos 13 minutos, mas o seu remate com o pior pé, o direito, errou o alvo.

Contudo, o ala fez questão de se redimir escassos segundos volvidos e assinou o já merecido tento de empate para Portugal, passando pelo seu marcador directo e atirando de pé esquerdo, com a bola a sofrer ainda um ligeiro desvio em Gabriel Lima.

A qualidade técnica da equipa portuguesa ia colocando problemas aos "azzurri" e essa pressão acabou, também ela, por produzir um erro defensivo fatal. Vampeta tentou aliviar, de cabeça, uma bola perdida à entrada da sua área, mas colocou-a ao alcance de Arnaldo, que não se fez rogado e marcou na passada a um minuto do intervalo.

O descanso fez bem à Itália, que regressou mais concentada e incisiva, perante um adversário que pareceu algo surpreendido com a intensa pressão transalpina. E o 2-2 surgiu mesmo aos 23 minutos, com Merlim a desmarcar bem Lima na esquerda e este a cruzar para a fácil finalização de Sergio Romano.

Leitão tinha dito, na antevisão do encontro, que pretendia marcar ao seu colega de clube, Mammarella, e o pivot que actua em Itália só não cumprimiu a promessa porque o seu desvio à boca da baliza, após uma assistência de Arnaldo, encontrou o poste aos 26 minutos.

A Itália não se quis ficar atrás e também teve um remate ao ferro dois minutos volvidos, através de Massimo De Luca, isto numa altura em que o ritmo de jogo era verdadeiramente alucinante.

O terceiro golo do encontro adivinhava-se a cada instante e ele acabou mesmo por se materializar aos 31 minutos, para a Itália. Uma jogada confusa na área portuguesa viu a bola sobrar para Lima, que rematou por entre as pernas de André Sousa.

Portugal, impulsionado por Ricardinho, tentou responder, mas começou a descompensar um pouco a defesa e disso se aproveitou a Itália para chegar ao 4-2, na sequência de um potente disparo de Fortino, aos 35 minutos. A selecção portuguesa reagiu de imediato e, já com Ricardinho como guarda-redes avançado, Joel Queirós logrou reduzir.

O tento proporcionou uma emocionante recta final, mas a frieza transalpina ditou leis e o resultado não mais se alterou, eliminando a selecção portuguesa.

Topo