Portugal aliviado, Holanda orgulhosa

Jorge Braz, Ricardinho e Bruno Coelho atribuíram o apuramento de Portugal à unidade sentida na equipa, enquanto a Holanda, derrotada por 5-0, reflectiu sobre a boa exibição na despedida.

Portugal aliviado, Holanda orgulhosa
©UEFA.com

Jorge Braz, seleccionador de Portugal
Tivemos aqui e ali alguns erros posicionais muito pontuais, mas defrontámos uma Holanda extremanente atrevida, ambiciosa e com jogadores de qualidade. Sabíamos que a Holanda que perdeu contra a Rússia não era a verdadeira Holanda e isso ficou provado hoje. Acabámos por ter um espírito de solidariedade fantástico e quando assim é torna-se difícil as coisas correrem mal. Fomos corrigindo os erros que fomos cometendo. O jogo tem 40 minutos e há que saber gerir todos os momentos.

O apoio do público foi simplesmente incrível. Sentimo-nos em casa e só podemos agradecer a estes fantásticos adeptos. Isso só nos dá mais força para tentar retribuir esse carinho todo. Não estamos preocupados contra quem vamos jogar do Grupo A. Estamos, isso sim, preocupados em melhorar alguns pontos da nossa organização. Vamos de certeza crescer ao longo deste torneio. Os resultados da Espanha e da Itália não são assim tão surpreendentes. O que acontece é que muita gente anda desatenta ao valor das outras equipas.

O jogo contra a Rússia vai ser um teste importante para nós, mas de certeza que eles também pensam o mesmo. Acho que vai ser um jogo de futsal muito bom: vai ser mais uma festa do futsal.

Bruno Coelho, defesa de Portugal
É um sonho tornado realidade ter marcado dois golos no meu primeiro jogo de uma fase final do Europeu, mas ainda mais porque consegui ajudar a minha equipa a vencer e a selar o apuramento para os quartos-de-final. Era a nossa estreia na prova e é sempre muito importante ganhar o primeiro jogo, pelo que o resultado desta noite assume ainda maior relevância.

Os primeiros minutos não foram fáceis para nós, mas talvez porque se tratava do nosso primeiro encontro, penso que sentimos algumas dificuldades no arranque. Porém, depois conseguimos dar a volta por cima, entrar no jogo e garantir um excelente triunfo. A Holanda precisava de conseguir um resultado positivo para evitar ser eliminada e eles provaram esta noite que também têm uma selecção de qualidade. Penso que o jogo foi um excelente espectáculo de futsal. Preferimos pensar jogo-a-jogo do que focarmos a nossa atenção num determinado objectivo.

Ricardinho, avançado de Portugal
Os dois primeiros golos foram cruciais, porque acho que entrámos muito nervosos na partida. As coisas não nos saíram bem no início do encontro, sendo que eles tiveram mesmo um remate ao poste. Como disse, esses dois primeiros golos foram decisivos, porque nos deram tranquilidade para o resto do jogo. Fomos todos unidos e essa foi a chave da nossa vitória. Infelizmente não pudemos contar com o nosso capitão [Arnaldo estava suspenso], mas esta vitória também é dele.

Foi um jogo duro e alguns dos nossos jogadores estavam muito cansados após o apito final, mas o mais importante é que vencemos e conseguimos o apuramento. Não queríamos perder este jogo e também não queríamos que eles marcassem primeiro, porque sabíamos que é uma equipa que defende muito bem. Os jogadores deles são muito fortes fisicamente e isso é uma preocupação que temos para este torneio, porque há mais equipas assim.

Marcel Loosveld, seleccionador da Holanda
Fizemos uma excelente exibição. Começámos muito bem. Tivemos oportunidades, acertámos no poste, o [Mohamed] Attaibi assinou um grande remate e o [Najib] El Allouchi teve uma excelente ocasião - por vezes é preciso ter alguma sorte para seguir em frente.

Disse aos meus jogadores ontem "façam apenas o vosso jogo e não estejam nervosos, porque isso pode bloqueá-los. Mostrámos hoje que podemos competir com os melhores países. O resultado foi demasiado pesado, mas não há nada a fazer quanto a isso. Se tivéssemos estado num grupo mais fácil, acho que podíamos ter lutado mais pelo apuramento.

Topo