O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Finalíssima 2022, Argentina - Itália: Identidade de marca revelada

A identidade da marca da Finalíssima foi revelada, numa visão inspirada na coroa de louros, que evoca unidade e triunfo.

União e triunfo são as inspirações por detrás da identidade da marca da Finalíssima, o jogo entre a Itália, vencedora do UEFA EURO 2020, e a Argentina, vencedora da Copa América 2021.

O logótipo é inspirado numa coroa de louros; um símbolo de excelência e vitória, de protecção e crescimento. É composto por fitas nas cores das nações concorrentes – a "Tricolore" de Itália e a "Albiceleste" da Argentina –, unindo-se em em torno do troféu.

Haverá um troféu para o vencedor da Finalíssima?

A Taça dos Campeões CONMEBOL – UEFA é o novo nome do troféu que foi o prémio deste jogo em 1985 e 1993. Tem duas figuras de cada lado, representando a Europa e a América do Sul, com o ícone da Finalíssima posicionado de forma destacada onde as mãos se encontram.

As fitas simbolizam os fortes laços entre a CONMEBOL e a UEFA e o seu compromisso com o desenvolvimento do futebol para lá das suas zonas geográficas.

Vinte e nove anos após a última edição, o relançamento deste jogo é fruto da parceria de longa data entre a UEFA e a CONMEBOL, e servirá de catalisador para o desenvolvimento global do futebol – unindo países, continentes e culturas.

Assista em grande estilo: Hospitalidade Oficial

 Finalíssima: Quem vai ser o campeão dos campeões?
Finalíssima: Quem vai ser o campeão dos campeões?

A marca também destaca a importância de uma partida entre as melhores selecções dos dois continentes, de onde resultaram todos os campeões mundiais. Entre as fitas que tecem o fundo azul profundo estão várias em platina e ouro, os metais mais preciosos do mundo.

É claro que, no dia 1 de Junho, quando Itália e Argentina se encontrarem na Finalíssima, no Estádio de Wembley, em Londres, apenas as fitas de uma equipa adornarão o troféu. Será que a Argentina seguirá os passos do conjunto de Diego Maradona, que venceu a Dinamarca na última edição deste jogo, em 1993? Ou a Itália pode imitar o sucesso inaugural da França sobre o Uruguai, em 1985?