Buffon despede-se com recorde europeu de internacionalizações

Gianluigi Buffon somou o 175º e último jogo por Itália na segunda-feira, máximo europeu. Poderá esse recorde ficar sob ameaça em breve? Olhamos para os dez mais

©AFP/Getty Images

Gianluigi Buffon somou a sua 175ª e última internacionalização por Itália esta segunda-feira, num nulo com a Suécia que confirmou a eliminação da "squadra azzurra" no play-off de apuramento para o Mundial 2018 e colocou assim um fim prematuro a uma notável carreira do veterano guardião ao serviço da selecção principal do seu país.

Em sua honra, olhamos para os dez jogadores europeus com mais jogos disputados ao serviço das selecções principais dos respectivos países.

  • Recordista mundial: Ahmed Hassan (Egipto) 184
Neuer, Buffon e mais: Seis defesas soberbas
Neuer, Buffon e mais: Seis defesas soberbas

Gianluigi Buffon (Itália) – 175
Buffon tornou-se no jogador europeu com mais internacionalizações de sempre quando, em Março, frente à Albânia, disputou o seu 168º jogo por Itália, naquele que foi o seu 1000º jogo como futebolista profissional. Um feito que superou o momento em que, em 2011, ultrapassou o recorde nacional de Dino Zoff de 111 jogos pela selecção ("quando fiz a minha estreia por Itália, em 1997, chegar a estes números era apenas um sonho para mim", disse). O momento mais alto, contudo, terá sido quando Buffon se sagrou campeão do Mundo pelos "azzurri", em 2006.

Iker Casillas (Espanha) – 167*
Uma guarda-redes fantástico no Real Madrid CF, agora a defender as redes do FC Porto, Casillas afirmou que representar a Espanha era algo especial: "Responsabilidade. Orgulho. Satisfação. Felicidade. Compromisso. Respeito por quem me precedeu. Uma infinidade de palavras – e dar tudo pelos adeptos espanhóis." Com David de Gea firme como titular, Casillas não tem conseguido ultrapassar a 167ª internacionalização, somada em Junho de 2016.

Vitālijs Astafjevs esteve com a Letónia no UEFA EURO 2004
Vitālijs Astafjevs esteve com a Letónia no UEFA EURO 2004©Roman Koksharov

Vitālijs Astafjevs (Letónia) – 166
"Eu amo o futebol e sempre amei", disse o voluntarioso médio quando fez a sua última partida internacional, com 39 anos, em 2010. O auge da carreira de Astafjevs ocorreu quando representou a Letónia no UEFA EURO 2004: "Conseguimos um milagre, todos ficaram espantados. Foi uma verdadeira felicidade."

Martin Reim (Estónia) – 156
"Não há maneira de eu continuar a jogar até morrer", disse o médio Reim no seu jogo de despedida – aos 38 anos – em 2009, concluindo uma carreira de 17 anos na selecção. O baluarte do Flora Tallinn apenas por uma vez jogou no estrangeiro, nos finlandeses do KooTeePee.

Lothar Matthäus (Alemanha/República Federal da Alemanha) – 150
Campeão europeu em 1980 e campeão do Mundo em 1990, o esteio do meio-campo atravessou duas eras do futebol germânico. Diego Maradona disse dele: "É o maior rival que jamais enfrentei. Penso que é tudo o que precisam de saber."

Iker Casillas e Sergio Ramos, recordistas de internacionalizações por Espanha
Iker Casillas e Sergio Ramos, recordistas de internacionalizações por Espanha©Getty Images

Sergio Ramos (Espanha) – 148*
Jogador europeu mais jovem a atingir as 100 internacionalizações, em Março de 2013, com 26 anos, Ramos certamente tem mais tempo para bater outros recordes, contando já com dois Campeonatos da Europa da UEFA e um Campeonato do Mundo no seu currículo.

Cristiano Ronaldo (Portugal) – 147*
Não seria um verdadeiro "top" se Ronaldo não estivesse cá, seria? Agora com 32 anos de idade, passaram já 14 anos desde a estreia de Ronaldo pela selecção principal de Portugal, na preparação para o UEFA EURO 2004, prova na qual ajudou a selecção portuguesa, anfitriã, a chegar à final. Conquistou depois mais tarde, no Verão passado, o EURO em França, e os 79 golos que já leva pela sua selecção fazem dele o segundo jogador de sempre com mais golos pelas selecções selecções europeias.

©Sportsfile

Robbie Keane (República da Irlanda) 146
Keane despediu-se da selecção em Agosto, após 68 golos em mais de 18 anos ao serviço da Irlanda. Apenas Ferenc Puskás, Ronaldo, Sándor Kocsis e Miroslav Klose conseguiram mais.

Anatoliy Tymoshchuk (Ucrânia) – 144
O UEFA EURO 2016 foi o fim da linha para Tymoshchuk na selecção, ele que alcançou as 100 internacionalizações em 2010. Em 2011, foi eleito Melhor Jogador da Ucrânia pós-independência.

Anders Svensson (Suécia) – 143
O médio e especialista em livres directos terminou a carreira internacional em 2013, sublinhando: "É tempo de eu sair e abrir caminho aos jogadores mais jovens". "Taco-Anders" – assim apelidado devido ao seu prato favorito – alinhou em dois Campeonatos do Mundo e dois Campeonatos da Europa.

Thomas Ravelli (Suécia) – 143
O guarda-redes com um olhar distinto prosperou ao mais alto nível. "Quando jogava sob pressão era quando conseguia os melhores desempenhos", disse. "Eu precisava daquela pressão."

*ainda em actividade na selecção