Lições do Portugal - Letónia

A goleada frente à Letónia teve um susto, mas mostrou que Portugal goza de boa saúde no encerramento de um ano memorável: o UEFA.com analisa quatro aspectos a retirar deste triunfo.

©AFP/Getty Images

A goleada frente de 4-1 à Letónia teve um susto, mas mostrou que Portugal goza de boa saúde no encerramento de um ano memorável: o UEFA.com analisa quatro aspectos a retirar deste triunfo.

Cristiano Ronaldo sempre a somar
Dois golos e dois remates aos ferros da baliza é um desempenho digno de registo, mas se estivermos a falar de Cristiano Ronaldo até pode ser considerado normal. O avançado de 31 anos do Real Madrid, que falhou o desaire inicial na Suíça, continua a ser decisivo para Portugal e a quebrar recordes. Com o bis diante da Letónia passou a ser o melhor marcador em fases de qualificação (Campeonato da Europa da UEFA e Campeonato do Mundo da FIFA), com 42 golos. Para além disso, tornou-se no jogador com mais golos pela sua selecção num ano civil, ao terminar 2016 com 13 remates certeiros, enquanto os 68 que tem com a camisola das "quinas" permitiram-lhe subir ao quarto posto na lista de melhores marcadores de selecções europeias.

Bruno Alves voltou a marcar passados quase dois anos e meio
Bruno Alves voltou a marcar passados quase dois anos e meio©AFP/Getty Images

Bruno Alves e Ricardo Quaresma dizem presente
Os dois veteranos mostraram a Fernando Santos que não precisa de se preocupar quando é preciso mudar alguma coisa na equipa. O defesa-central Bruno Alves, do Cagliari, tem sido terceira opção para o eixo da defesa, mas sempre que é chamado à acção tem cumprido. Foi assim no UEFA EURO 2016, no qual disputou apenas um jogo, e logo de crucial importância, nas meias-finais. Foi assim também ontem, sempre por ausência de Pepe, habitual titular. Desta vez, conseguiu inclusive coroar uma exibição sem muito trabalho com um golo, o 11º em 88 jogos, tendo voltado a festejar após o tento da vitória sobre o México no Mundial do Brasil, em 2014.

Quanto ao extremo do Beşiktaş, Ricardo Quaresma, mostrou novamente sentir-se confortável no papel de trunfo, algo que também tinha acontecido neste Verão em França. Entrado aos 65 minutos, pouco antes de Portugal sofrer o empate, revelou-se fundamental na recuperação da vantagem ao fazer duas assistências para golo. Sob o comando de Fernando Santos já fez nove, cinco delas como suplente utilizado, e a cumplicidade com Cristiano Ronaldo fora dos relvados é quase sempre passada para dentro das quatro linhas.

Portugal goleador
No segundo lugar do Grupo B, a três pontos da líder Suíça (quatro vitórias em quatro jogos), frente à qual perdeu na primeira jornada, Portugal continua a depender apenas de si para chegar ao Mundial 2018. E por isso tem tentado controlar as variáveis controláveis, no caso de terminar a qualificação em igualdade pontual com os helvéticos. Sendo o primeiro critério de desempate a diferença de golos, nesse aspecto, para já, Portugal leva a melhor, com um saldo de +13, contra +6 da Suíça, fruto das goleadas nos três últimos jogos. Inclusive frente aos adversários que ambos já defrontaram, o registo de Portugal é superior, depois de bater Andorra e Ilhas Faroé por 6-0, triunfos que a Suíça conseguiu apenas por 2-1 e 2-0, respectivamente.

Ano para recordar
O ano de 2016 ficará na história de Portugal pela conquista do UEFA EURO 2016. Mas houve outros motivos, que se devem ao jogo de domingo. Ao vencer a Letónia, Portugal igualou 2004 e 2006, anos em que chegou à final do UEFA EURO 2004 e às meias-finais do Mundial 2006, respectivamente, como aquele com mais jogos oficiais disputados (11). Registou seis vitórias, quatro empates e apenas uma derrota, e os quatro tentos marcados à Letónia fizeram mesmo de 2016 o ano mais concretizador da equipa.

A vitória no UEFA EURO 2016 constitui o ponto alto da história de Portugal no futebol
A vitória no UEFA EURO 2016 constitui o ponto alto da história de Portugal no futebol©AFP/Getty Images
Topo