Momentos mais memoráveis de Schweinsteiger pela Alemanha

Da estreia pela selecção, passando pela desilusão de 2006, a alegria de 2014 e o Verão de 2016, Bastian Schweinsteiger teve uma carreira memorável ao serviço da Alemanha.

Bastian Schweinsteiger (Alemanha)
Bastian Schweinsteiger (Alemanha) ©Getty Images

Bastian Schweinsteiger anunciou a despedida da selecção depois de uma brilhante carreira em que amealhou 120 internacionalizações, ganhou o Campeonato do Mundo e uma legião de adeptos. O UEFA.com destaca os seus momentos mais memoráveis vividos com a camisola da Alemanha.

©Getty Images

Estreia pela Alemanha
Após disputar o Campeonato da Europa de Sub-21 da UEFA em casa, Schweinsteiger foi chamado à última hora para representar a Alemanha no UEFA EURO 2004, em Portugal.

O então jovem de 19 anos preparava a campanha no Campeonato da Europa de Sub-21 quando o seleccionador Rudi Völler o chamou para representar a selecção principal, dando início a uma notável carreira internacional. Esta imagem mostra “Schweini” na primeira internacionalização, numa derrota por 2-0 em amigável diante da Hungria.

©Getty Images

Bis abre conta pessoal
Schweinsteiger marcou 24 golos pela Alemanha, com os dois primeiros a surgirem num empate a 2-2 num particular com a Rússia, em Junho de 2005. "Basti trouxe-nos muita alegria", afirmou o seleccionador Jürgen Klinsmann após o jogo.

©Getty Images

Primeira desilusão
Quando a campanha da Alemanha no Campeonato do Mundo de 2006 terminou prematuramente nas meias-finais, frente à Itália, Schweinsteiger era um dos mais abatidos no meio da frustração geral em Dortmund.

Não seria o último momento amargo na carreira internacional de Schweinsteiger, mas o médio afirmou mais tarde ter sido uma ocasião marcante.

©Getty Images

Redenção parcial
Schweinsteiger ajudou os adeptos alemães a enxugarem as lágrimas, poucos dias depois, em Estugarda. Já com 21 anos, marcou dois golos a Portugal e foi eleito o melhor em campo no encontro de atribuição do terceiro lugar.

"Tínhamos de esquecer o jogo com a Itália, a vida continua", afirmou após o desafio.

Amizade
A carreira internacional de Schweinsteiger esteve sempre intimamente ligada à de Lukas Podolski. Eram ambos muito jovens quando participaram no EURO 2004 e representaram uma nova geração de futebolistas alemães.

Dez anos depois da estreia pela “mannschaft”, o duo dinâmico “Poldi e Schweini” brilhou a grande altura e dançou no relvado do Maracanã com o troféu do Campeonato do Mundo na mão.

A melhor campanha
Schweinsteiger atingiu o zénite em termos de capacidade técnica e de valor estratégico pela Alemanha no Campeonato do Mundo de 2010. Sempre pareceu desfrutar dos desafios com a Argentina e na memória ficou o duelo nos quartos-de-final na África do Sul.

O alemão esteve magistral a interceptar os ataques da Argentina e a dar início a contra-ataques devastadores, silenciando os poucos críticos que continuavam a afirmar que não assumia a responsabilidade em campo. Já ninguém se lembrava da lesão sofrida por Michael Ballack antes da prova.

O guerreiro
Avançamos quatro anos para novo encontro com a Argentina, desta vez no jogo mais importante. Durante 120 minutos, Schweinsteiger foi muito castigado com faltas.

Conseguiu sempre levantar-se, embora já a sangrar e a coxear nos minutos finais, e teve uma recompensa eterna pelo espírito de sacrifício demonstrado. A Alemanha ganhou por 1-0 e Schweinsteiger juntou o título mundial ao longo palmarés.

Despedida sem glória
Schweinsteiger esteve vários meses sem jogar e não chegou na melhor forma ao UEFA EURO 2016, mas Joachim Löw foi sempre um admirador seu e não hesitou em o levar para França. O capitão correspondeu à aposta e teve um regresso de sonho à selecção, entrando nos minutos finais para estabelecer o resultado final em 2-0 no encontro de estreia com a Ucrânia. A Alemanha foi batida pelos anfitriões nas meias-finais e o médio não se pôde despedir com mais um título.

"Vivi momentos de um beleza indiscritível nos 120 jogos que disputei pela selecção", escreveu Schweinsteiger numa mensagem aos adeptos. "A conquista do Campeonato do Mundo em 2014 foi histórica e muito emotiva. Não iriei conseguir repetir algo semelhante na minha carreira, por isso, este é o momento certo para me despedir e desejar a melhor sorte à equipa para o Campeonato do Mundo em 2018".

Veja o último golo de Bastian Schweinsteiger pela Alemanha
Veja o último golo de Bastian Schweinsteiger pela Alemanha
Topo