Bulgária surpreende Portugal, França vence clássico

Portugal perdeu em casa com a Bulgária e Blaise Matuidi deu a vitória à França, num jogo marcado por homenagens a Johan Cruyff, enquanto a Irlanda bateu a Suíça e a Eslováquia empatou.

Blaise Matuidi celebra o seu golo em Amesterdão
Blaise Matuidi celebra o seu golo em Amesterdão ©AFP/Getty Images

Portugal 0-1 Bulgária (Marcelinho 19)
Portugal: Anthony Lopes; Vieirinha, Pepe, Bruno Alves, Eliseu (Raphael Guerreiro 81); William Carvalho (Renato Sanches 74), Adrien Silva (Danny 65), João Mário (Danilo Pereira 75), Rafa (Quaresma 65); Nani (Eder 83), Cristiano Ronaldo.

Portugal dominou em Leiria mas foi derrotado quando, num raro ataque búlgaro, o estreante Marcelinho escapou a Pepe e Vieirinha e bateu Anthony Lopes com um remate rasteiro. Portugal tentou recuperar a compostura mas faltou-lhe inspiração, algo que o guarda-redes Vladislav Stoyanov teve de sobra, inclusive defendendo uma grande penalidade de Cristiano Ronaldo aos 66 minutos, tal como tinha acontecido no jogo entre Ludogorets Razgrad against Real Madrid, na edição anterior da UEFA Champions League. Aos 74 minutos, Renato Sanches, de 18 anos, estreou-se por Portugal.

Holanda 2-3 França (De Jong 47, Afellay 86; Griezmann 6, Giroud 13, Matuidi 88)
França: Mandanda; Evra (Digne 46), Koscielny, Varane, Jallet; Matuidi, Diarra (Kanté 46), Pogba (Sissoko 87); Payet, Giroud (Gignac 73), Griezmann (Martial 46).

Num jogo interrompido aos 14 minutos, para 60 segundos de aplausos num tributo a Johan Cruyff, coube a Blaise Matuidi garantir a vitória emocionante do anfitrião do UEFA EURO 2016. Um livre notável marcado aos 20 minutos e um remate certeiro de Olivier Giroud, após cabeceamento de Matuidi, colocaram a França a vencer por 2-0 antes da paragem para homenagear Cruyff. No entanto, na segunda parte parecia que a recuperação da Holanda, que já pensa na qualificação para o Campeonato do Mundo de 2018, ia frustrar a França na Amsterdam ArenA (que deverá ser renomeada em honra de Cruyff). Mas Matuidi, envergando o No14, tão querido ao notável holandês, teve outras ideias momentos após o empate, finalizando uma boa jogada que envolveu Dmitri Payet e Anthony Martial.

Tributo a Johan Cruyff na Amsterdam ArenA
Tributo a Johan Cruyff na Amsterdam ArenA©AFP/Getty Images

República da Irlanda 1-0 Suíça (Clark 2)
Irlanda:Randolph; Coleman, Duffy, Clark, Brady; Judge, Meyler (O'Kane 61, Quinn (McCarthy 61), McGeady (Hayes 61); Long (McClean 84), Doyle (Murphy 26, Hoolahan 79).

Suíça: Sommer; Lang (Widmer 82), Schar, Klose, Rodriguez (Moubandje 77); Dzemaili (Tarashaj 71), Xhaka, Behrami (Fernandes 71); Embolo, Seferovic (Steffan 61), Mehmedi (Kasami 71).

A Irlanda festeja o seu golo
A Irlanda festeja o seu golo©AFP/Getty Images

Um raro golo do defesa Ciarán Clark deu a vitória à Irlanda sobre outra selecção finalista, diante de 35.450 adeptos na Dublin Arena, apesar de o sucesso ter sido ensombrado pela lesão do avançado Kevin Doyle na primeira parte, situação que o obrigou a receber tratamento no hospital. O canto de Robbie Brady aos dois minutos foi desviado na direcção de Clark pelo também defesa Shane Duffy, batendo Yann Sommer de cabeça. Haris Seferovic e Granit Zhaka obrigaram a defesas de Darren Randolph, com este a manter a baliza inviolada numa noite em que Shane Long e Shane Duffy impressionaram pela Irelanda.

O eslovaco Marek Hamšík (à direita) cabeceia a bola
O eslovaco Marek Hamšík (à direita) cabeceia a bola©AFP/Getty Images

Eslováquia 0-0 Letónia
Eslováquia: Mucha; Pekarík, Škrtel (Švento 82), Ďurica, Hubočan; Hrošovský; Mak, Duda, Hamšík (Sabo 89), Weiss; Ďuriš.

A Eslováquia continua em busca da centésima vitória, após o seu 251º jogo ter terminado sem golos. A partida assinalou o regresso de Martin Škrtel, após debelar uma lesão na coxa, que assim deixa a defesa na máxima força, enquanto o médio-defensivo Patrik Hrošovský mostrou ser uma alternativa credível a Juraj Kucka, que regressou ao Milan na quinta-feira, devido a um problema muscular. Foi precisa uma hora para a Eslováquia registar o seu primeiro remate enquadrado com a baliza, apesar de sete tentativas na primeira parte. No segundo tempo acabaram por surgir mais oportunidades, por intermédio de Róbert Mak, Marek Hamšík e Vladimír Weiss, à medida que procura pela combinação certa no ataque se mantém.

Topo