Melhores marcadores do EURO: De sempre e por torneio

Ser o melhor marcador é sinónimo de sucesso no EURO? Quem pode ameaçar os maiores goleadores de sempre no UEFA EURO 2016? O UEFA.com investiga.

Michel Platini (à direita), da França, festeja o golo da vitória
Michel Platini (à direita), da França, festeja o golo da vitória ©Getty Images

Ser o melhor marcador do Campeonato da Europa da UEFA é um feito memorável e costumava ser sinónimo de outra alegria: vencer a prova.

Michel Platini e Marco van Basten foram duas estrelas do futebol que conseguiram a proeza de conquistar títulos europeus e, ao mesmo tempo, sagrarem-se melhores marcadores da prova. É algo que todos ambicionam: juntar os sucessos individuais aos triunfos colectivos. Contudo, o Campeonato da Europa teve três edições em que o melhor marcador não conseguiu chegar ao título, até David Villa reatar a tradição ao marcar quatro golos no UEFA EURO 2008 e ajudar a Espanha a garantir o triunfo final.

Antes de Villa, a última vez que o país vencedor tinha nas suas fileiras o melhor marcador da prova tinha sido em 1992, quando o dinamarquês Henrik Larsen reinou entre os goleadores, embora empatado com outros três jogadores. As duas campanhas anteriores foram excelentes exemplos de como um goleador em forma é quase uma garantia de títulos para a sua selecção. Os cinco golos de Van Basten em 1988 e os sensacionais nove golos apontados por Platini no Europeu anterior deixaram-nos bem distanciados dos principais concorrentes que, respectivamente, se ficaram pelos dois e três golos.

Platini teve a única participação como jogador num Campeonato da Europa em 1984, mas os nove golos marcados, que incluíram dois "hat-tricks" seguidos na fase de grupos, permitem que o francês seja o melhor marcador de sempre da prova. Alan Shearer é o segundo, com sete golos, embora Milan Baroš, que foi o rei dos goleadores no UEFA EURO 2004, possa ultrapassar ambos se reencontrar a boa forma na Polónia e na Ucrânia.

Quanto às equipas mais concretizadoras, convém recordar que só por uma vez na história da prova é que a equipa com mais golos falhou a presença na final. Isso aconteceu em 2004, quando a Grécia foi campeã com sete golos em seis jogos, enquanto a Inglaterra, que só atingiu os quartos-de-final, e a República Checa, que chegou até às meias-finais com Baroš em boa forma, marcaram um total de 10 golos.

Melhores marcadores
1960:
2 François Heutte (França), Viktor Ponedelnik (URSS), Valentin Ivanov (URSS), Drazen Jerković (Jugoslávia)
1964: 2 Jesús Pereda (Espanha), Ferenc Bene (Hungria), Deszö Novák (Hungria)
1968: 2 Dragan Džajić (Jugoslávia)
1972: 4 Gerd Müller (República Federal da Alemanha)
1976: 4 Dieter Müller (República Federal da Alemanha)
1980: 3 Klaus Allofs (República Federal da Alemanha)
1984: 9 Michel Platini (França)
1988: 5 Marco van Basten (Holanda)
1992: 3 Henrik Larsen (Dinamarca), Karlheinz Riedle (Alemanha), Dennis Bergkamp (Holanda), Tomas Brolin (Suécia)
1996: 5 Alan Shearer (Inglaterra)
2000: 5 Patrick Kluivert (Holanda), Savo Milošević (Jugoslávia)
2004: 5 Milan Baroš (República Checa)
2008: 4 David Villa (Espanha)
2012: 3 Fernando Torres (Espanha), Alan Dzagoev (Rússia), Mario Mandžukić (Croácia), Mario Gomez (Alemanha), Mario Balotelli (Itália), Cristiano Ronaldo (Portugal)

Equipas com mais golos por torneio
1960: Jugoslávia 6
1964: Espanha, Rússia, Hungria 4
1968: Itália 3
1972: República Federal da Alemanha 5
1976: República Federal da Alemanha 6
1980: República Federal da Alemanha 6
1984: França 14
1988: Holanda 8
1992: Alemanha 7
1996: Alemanha 10
2000: França, Holanda 13
2004: Inglaterra, República Checa 10
2008: Espanha 12
2012: Espanha 12

Golos em fases finais
9: Michel Platini (França)
7: Alan Shearer (Inglaterra)
6: Patrick Kluivert (Holanda)
6: Milan Baroš (República Checa)
6: Thierry Henry (França)
6: Nuno Gomes (Portugal)
6: Ruud van Nistelrooy (Holanda)

Topo