Hungria vence e garante presença em França

Hungria 2-1 Noruega (total: 3-1 )A eficácia e pragmatismo da equipa da casa foram suficientes para derrubar a Noruega e garantir a presença em França.

Highlights: See how Hungary won their place in France
  • Excelente golo de Tamás Priskin abre caminho à vitória da Hungria
  • Autogolo nos últimos minutos alivia os nervos dos adeptos da Hungria, em Budapeste
  • Markus Henriksen marca perto do fim mas não retira apuramento aos comandados de Bernd Storck
  • Hungria pela primeira vez num EURO desde 1972; primeira fase final desde o Mundial de 1986
  • Equipas usam fumos negros e respeitam um minuto de silêncio na sequência dos acontecimentos de Paris

A Hungria venceu a Noruega por 2-1, depois de ter ganho 1-0 na primeira mão, e qualificou-se pela primeira vez em 43 anos para a fase final de um Campeonato da Europa.

Num jogo em que os visitantes mostraram vontade de dominar e marcar para anular a desvantagem da primeira mão, o que contou mesmo foi a capacidade húngara no ataque. Logo aos 14 minutos, Tamás Priskin recebeu um passe longo da sua defesa, progrediu pela esquerda e, já dentro da grande área, flectiu para o meio e rematou cruzado para o 1-0.

A Noruega, tal como desde o início, pegou na bola para tentar organizar o ataque com paciência, talvez demasiada para a premência de marcar um golo, e a primeira grande oportunidade criada pelos nórdicos surgiu aos 27 minutos, quando Gábor Király foi obrigado a realizar uma excelente defesa perante o lateral-esquerdo Haitam Aleesami, que surgiu na esquerda da grande área. Gergő Lovrencsics, aos 36 minutos, quase fez o 2-0, ao acorrer de cabeça, ao segundo poste, a um cruzamento da direita, mas atirou ao lado.

E o intervalo chegou com vantagem justa da Hungria. "Vai ser interessante ver de que forma a Hungria abordará o jogo, se vão esperar por nós ou atacar", disse na antevisão da partida o seleccionador da Noruega, Per-Mathias Høgmo, e foi aqui que esteve a superioridade dos da casa. Ao intervalo a Noruega tinha 62 por cento de posse de bola e realizara 16 ataques contra 12, mas os magiares chegaram ao descanso com sete remates contra três dos noruegueses, quatro deles com boa direcção contra nenhum dos visitantes.

A Hungria esperou pela Noruega, fechou os caminhos para a sua baliza e explorou bem o contra-ataque e foi esta a chave da eliminatória. No segundo tempo, aos 58 minutos, o capitão Balázs Dzsudzsák finalizou uma jogada em tudo idêntica à que deu o 1-0, mas do lado direito do ataque, e o seu remate embateu caprichosamente na barra.

Dzsudzsák viu, aos 72 minutos, o guardião Ørjan Nyland realizar uma grande defesa a remate em zona frontal quando todos já gritavam golo, e o mesmo sucedeu na outra baliza, com Király a sair-se aos pés do recém-entrado Marcus Pedersen, na melhor ocasião para os forasteiros.

Mas mais uma vez quem não marca arrisca-se a sofrer e, de um cruzamento da esquerda, Markus Henriksen tentou interceptar a bola mas acabou por a introduzir na própria baliza. De nada serviu, aos 87 minutos, o golo Henriksen, desta vez na baliza certa, para o 2-1.

Topo