Portugal vence Macedónia mas é afastado

Portugal venceu a Macedónia por 4-2 e terminou no segundo lugar, mas não conseguiu marcar os golos suficientes para ultrapassar a Eslováquia na luta pelo melhor segundo classificado.

Daniel Podence marcou um dos golos de Portugal, insuficiente para a equipa das "quinas" se manter em prova
Daniel Podence marcou um dos golos de Portugal, insuficiente para a equipa das "quinas" se manter em prova ©Getty Images

Portugal venceu a Macedónia por 4-2 e terminou no segundo lugar, mas não conseguiu marcar os golos suficientes para ultrapassar a Eslováquia na luta pelo melhor segundo classificado.

A precisar de marcar pelo menos quatro golos para ultrapassar a Eslováquia como melhor segundo classificado – antes de esperar pelos resultados de amanhã no Grupo C – Portugal voltou a entrar pressionante, tal como nos jogos anteriores, e desta vez marcou logo aos dois minutos, por Edgar Ié, de cabeça, na sequência de canto.

Com mais dois cantos até aos nove minutos e a Macedónia a correr atrás da bola, Portugal viu-se obrigado a trocar de defesa-esquerdo, certamente devido a lesão. Kevin Rodrigues entrou para o lugar de Pedro Rebocho e foi do recém-entrado o passe para Bruma repetir a proeza conseguida ante à Espanha e voltar a marcar um golaço, aos 22 minutos.

Logo a seguir, Gonçalo Paciência teve o terceiro tento nos pés, em plena pequena área, mas o seu remate saiu à figura do guarda-redes Damjan Siskovski. Perante a desorientação da sua equipa, Blagoja Milevski tirou o avançado Marjan Radeski e colocou o defesa Visar Musliu. Esta mudança permitiu à Macedónia reorganizar-se perante a avalanche de ataque lusitano e, num remate de fora da área por parte de Enis Bardi, reduziu a diferença perto do intervalo.

O recomeço da partida revelava mais do mesmo: Portugal ao ataque e a Macedónia a defender as ofensivas. E o terceiro golo chegou mesmo aos 57 minutos, quando Daniel Podence desmarcou-se e desviou com êxito um passe de Iuri Medeiros já com Ricardo Horta no lugar de Renato Sanches. Ventura defendeu um livre perigoso de Bardi e, do outro lado, o cabeceamento de Rúben Neves em cima da pequena área errou o alvo após desvio de Podence.

Portugal partiu então à procura do quarto e vital golo, só que ao invés voltou a sofrer. Num contra-ataque rápido, aos 79 minutos, Kire Markowski rematou rasteiro e cruzado, desferindo um rude golpe nas aspirações lusas. Estas reavivaram-se em cima dos 90 minutos, quando Bruma bisou à boca da baliza, só que logo de seguida a expulsão de Diogo Jota, entrado na segunda parte, acabou de vez com as esperanças portuguesas.

Topo