Inglaterra vence torneio dos recordes

O Campeonato Europeu Feminino de Sub-19 de 2009 foi um salto para o desconhecido, mas a prova na Bielorrússia não desiludiu, com alguns recordes batidos.

O Campeonato Europeu Feminino de Sub-19 de 2009 foi um salto para o desconhecido, já que a Bielorrússia organizou o seu primeira grande evento, e não desiludiu. Ao longo dos 13 dias de competição escreveu-se história, com uma vitória por nove golos de diferença, assistências recorde e, no final, uma oitava nação inscreveu o seu nome no lote de campeões.

As conversas que antecederam o torneio indicavam a Alemanha como a principal favorita à vitória, mas a selecção cinco vezes campeã neste escalão cedo se despediu da prova, depois de encontrar uma Suíça inspirada por Ramona Bachmann. A bem cotada França e a anfitriã Bielorrússia completavam um forte Grupo A, mas foi do mais equilibrado Grupo B que surgiram as duas finalistas do torneio, Suécia e Inglaterra.

A selecção britânica chegou ao jogo decisivo como favorita, já que três dos dez golos que tinha marcado, contra nenhum sofrido, tinham sido obtidos precisamente ante a Suécia, no primeiro jogo da fase de grupos. No entanto, a história aconselhava prudência. Em 2005, a Rússia tinha recuperado de uma derrota por 4-0, com a França, no jogo inaugural, batendo as "les bleuettes" na final no desempate por grandes penalidades. No ano anterior, a Espanha tinha sido goleada, por 7-0, pela Alemanha, na fase de grupos, ganhando em seguida às germânicas, por 2-1. No entanto, a história não se repetiu em Borisov, já que golos, na primeira parte, da aniversariante Toni Duggan e Jordan Nobbs conduziram a Inglaterra ao primeiro título europeu feminino de Sub-19.

O torneio foi, aliás, marcado por uma série de eventos sem precedentes. E quando a seleccionadora britânica, Mo Marley, elogiou as suas atletas por "encontrarem um novo caminho em vez de percorrerem uma estrada já conhecida", até poderia estar a referir-se ao Europeu no seu todo. Os 4.500 adeptos que marcaram presença na final elevaram para 40 mil o número de espectadores no global do torneio, valor que praticamente triplicou em relação ao recorde anterior - 14.733 adeptos em 2006.

Estes números serviram de consolação ao país organizador, que sofreu uma derrota recorde, por 9-0, contra a Alemanha que, ainda assim, não conseguiu chegar às meias-finais. Mas a última palavra pertenceria à Inglaterra, que se tornaria na primeira selecção a conquistar o título sem ter sofrido qualquer golo.