O "site" oficial do futebol europeu

Odebrecht promovida a heroína

A Alemanha manteve o seu título graças a uma emocionante vitória frente à Noruega, na derradeira final do Campeonato da Europa de Sub-18 feminino.
Odebrecht promovida a heroína
Viola Odebrecht foi a heroína alemã ©Getty Images

Odebrecht promovida a heroína

A Alemanha manteve o seu título graças a uma emocionante vitória frente à Noruega, na derradeira final do Campeonato da Europa de Sub-18 feminino.

Um número recorde de 33 equipas participou naquela que acabou por ser o último Campeonato da Europa de Sub-18 feminino - mas as fases decisivas mostraram alguns nomes conhecidos.

A forma de apuramento foi a mesma do ano anterior, com três fases e algumas equipas a ficarem isentas. Bielorrússia, Hungria, Turquia, Áustria, Islândia, País de Gales, Escócia e Suíça foram as equipas apuradas da primeira fase, as duas últimas num mini-torneio realizado num campo artificial nas Ilhas Faroé.

Dessas equipas, a Suíça manteve a sua boa forma em mais outra fase, derrotando a segunda classificada do Grupo B1, Jugoslávia, e eliminando a Bielorrússia e Israel. A vencedora da primeira edição, a Dinamarca, apurou-se atrás da República Checa, com Inglaterra, República da Irlanda, Holanda, a finalista de 2000, Espanha, Bélgica e Rússia a apurarem-se também.

Na terceira fase, o Grupo A3 parecia o mais difícil, emparelhando Espanha e Inglaterra, a vencedora de 1998, França, a selecção anfitriã, e a campeã de 1999, Suécia. A Inglaterra, a única equipa que não ficou nos quatro primeiros lugares em 2000, bateu a Suécia por 1-0 no seu primeiro encontro enquanto as outras equipas empataram 3-3 e, depois, empatou 2-2 com a Espanha, enquanto a França perdeu por 4-1 com a Suécia. Então, a Inglaterra empatou 1-1 com as anfitriãs, mas o triunfo da Espanha por 2-1 frente à Suécia apurou-a para a fase final pelo número de golos marcados.

Já para a detentora da prova, Alemanha, e ainda para a Noruega e a Dinamarca, a progressão na prova foi ainda mais fácil, uma vez que venceram todos os jogos realizados fora de casa. A A Noruega parecia inverter esse padrão na fase final, agora disputada através de eliminação directa, ao ser sorteada para defrontar as anfitriãs. As coisas correram da melhor forma para a Noruega nas meias-finais, com Solfrid Andersen a apontar o único golo em Moss, frente à Dinamarca, a dez minutos do final. Na final, teria de ser um encontro entre as anfitriãs e as campeãs em título, tendo a Alemanha derrotado a Espanha por 2-0, graças a dois golos de Patrizia Barucha e Petra Wimbersky.

Um golo de Iben Gade aos 74 minutos para a Dinamarca deu às nórdicas um triunfo por 1-0 no jogo de atribuição do terceiro e quarto lugares, em Lillestrøm, frente à Espanha, mas o verdadeiro interesse estava no jogo que se seguiu. Marion Wilmes, que marcara na final, 12 meses antes, repetiu o feito, dando à Alemanha uma vantagem de 1-0 quando estavam decorridos nove minutos, mas Marie Knutsen empatou aos 32 minutos. Instantes antes da hora de jogo, Wimbersky restaurou a vantagem da Alemanha e, apesar de Knutsen ter voltado a empatar aos 83 minutos, Viola Odebrecht foi rápida a marcar, assegurando que as comandadas de Silvia Neid manteriam a posse do troféu.

Também constituiria um sinal, uma vez que Wimbersky e Knutsen, assim como Sarah Günther e Trine Rønning, participariam todas na final do UEFA WOMEN'S EURO 2005, entre estes países - a Alemanha manteria o seu título, com Neid como treinadora-adjunta.

http://pt.uefa.com/wunder18/history/season=2001/index.html#odebrecht+promovida+heroina