Destaques da fase de grupos do EURO Feminino

A fase de grupos do Women's EURO 2017 chegou ao fim com um dos finalistas de 2013 a ficar pelo caminho, estreantes qualificadas e muitos outros destaques, entre os quais a participação meritória de Portugal.

A Holanda mostrou as suas intenções no jogo de abertura
A Holanda mostrou as suas intenções no jogo de abertura ©Getty Images

A nossa equipa de repórteres elegeu os seus momentos favoritos da prova até ao momento.

John Atkin (@UEFAcomJohnA)

©Sportsfile

Vikings e rainhas

A Islândia teve uma fase final para esquecer, mas os seus adeptos foram incríveis, reeditando momentos a que nos habituaram em França no Verão passado. Estiveram sempre dois ou três mil islandeses em cada jogo e a coreografia com as palmas viking voltou a causar arrepios, com destaque para o jogo de despedida, onde contou com a participação dos adeptos da Áustria.

Ben Gladwell (@UEFAcomBenG)

©Sportsfile

A despedida de Gabbiadini 

A italiana Melania Gabbiadini anunciou a despedida da selecção depois de confirmada a eliminação das "azzurre", e foi emocionante ver o respeito e admiração demostrados pelas colegas relativamente a um "ícone" do futebol italiano. As jogadoras transformaram as palavras em actos e, apesar de já estarem eliminadas, fizeram uma boa exibição e derrotaram pela primeira vez a Suécia na fase final de um EURO Feminino. No final, a veterana italiana não conseguiu conter as lágrimas após uma despedida em alta. 

Emma Hingant (@UEFAcomEmmaH)

©AFP/Getty Images

Altos e baixos da Escócia

A Escócia viveu todo o tipo de emoções na estreia em grandes competições. Da goleada por 6-0 sofrida frente a rival britânica, passando pelo jogo em que devia ter ganho mas acabou batida por Portugal, e terminando com um triunfo sobre a Espanha em que mais um golo teria valido o apuramento para os quartos-de-final.

Laure James (@UEFAcomLaureJ)

©Sportsfile

Ídolos no futebol feminino

Poderia ter escolhido duelos decisivos, o "fair play", grandes defesas ou golos memoráveis, mas o momento que destaco aconteceu no hotel da Islândia. Sif Atladóttir contou-me de forma emocionada como passou de uma jovem ambiciosa que tinha como referência o pai, Atli Edvaldsson, para uma referência a seguir para outros jogadores.

"Considero que o mais bonito é ver alguns rapazes chegarem ao pé de nós e dizerem que querem ser como a Sara Björk [Gunnarsdóttir], a Dagný [Brynjarsdóttir] ou mesmo eu", explicou por entre lágrimas e um natural entusiasmo. "É maravilhoso", concluiu.

Paul Saffer (@UEFAcomPaulS)

©Getty Images

A eficácia de Taylor pela Inglaterra

A goleada da Inglaterra à Escócia foi espectacular, mas talvez o momento decisivo da fase de grupos tenha sido o encontro da segunda jornada, com a Espanha. A equipa de Jorge Vilda dominou a posse de bola, mas a Inglaterra, com uma organização e poderio físico do mais alto nível, estava pronta para o desafio. Jodie Taylor, a melhor marcadora da fase de grupos, estabeleceu o resultado final em 2-0 na única oportunidade que teve, mostrando uma eficácia que lhe permitiu destacar-se em relação às outras avançadas.

Berend Scholten (@UEFAcomBerendS)

©Getty Images

Festa holandesa

A Holanda passou aos quartos-de-final com um registo perfeito e tudo começou com uma vitória sobre a Noruega. Foi um início de sonho para as holandesas frente a um adversário que, na qualidade de finalista vencido em 2013, entrou em campo como favorito.

Depois tivemos os festejos da estreante Áustria após garantir a qualificação, como podem ver aqui:

Daniel Thacker (@UEFAcomDanielT)

©Sportsfile

A nova fronteira da Bélgica

Foi um prazer poder assistir ao primeiro triunfo da Bélgica numa fase final do EURO Feminino, surpreendendo a favorita Noruega em Breda. A cidade situada perto da fronteira belga recebeu mais de 4000 adeptos vizinhos que criaram um excelente ambiente no Rat Verlegh Station, num momento histórico para a sua selecção.

Joe Walker (@UEFAcomJoeW)

©Sportsfile

Portugal nas primeiras páginas

Nunca irei esquecer o primeiro triunfo de Portugal num EURO Feminino. Depois de ter tido oportunidade de ver pessoalmente a grande união do grupo, foi fantástico poder assistir ao primeiro golo de sempre das portuguesas na prova e depois à confirmação do merecido triunfo sobre a Escócia.

A vitória que mereceu honras de primeira página em Portugal e fica como o momento em que futebol feminino português anunciou-se verdadeiramente ao Mundo. Espero que este seja o ponto de partida para mais sucessos futuros.

Topo