Dez factos sobre o UEFA Women's EURO 2017

Quer acompanhar o UEFA Women's EURO 2017 mas não costuma seguir o futebol feminino? O nosso guia permite tirar todas as dúvidas antes do início do torneio, no domingo.

Participe no debate com #WEURO2017
Participe no debate com #WEURO2017 ©Sportsfile

1 Quando e onde decorre o torneio?

A competição começa domingo e vai decorrer até 6 de Agosto na Holanda. As cidades anfitriãs são Breda, Deventer, Doetinchem, Roterdão, Tilburg, Utrecht e Enschede, que vai receber a final no FC Twente Stadion. Os bilhetes ainda estão à venda, mas já esgotaram para alguns jogos.

2 Quando foi disputada pela primeira vez esta competição?

O primeira prova decorreu entre 1982 a 1984 e só na quarta edição recebeu o estatuto de campeonato da Europa da UEFA. A competição deixou de ser disputada de dois em dois anos em 1997 para passar a ser realizada de quatro em quatro de forma a não colidir com o Campeonato do Mundo Feminino. A primeira edição foi decidida numa final a duas mãos, com a fase final a ser alargada para quatro equipas (1987 a 1995), oito (1997 a 2005) e 12 (2009 e 2013) antes do alargamento a 16 países na edição deste ano.

Grandes golos da Alemanha nos últimos 20 anos
Grandes golos da Alemanha nos últimos 20 anos

3 Quem já venceu esta competição?

A Alemanha tem sido dominadora, com triunfos em 1989, 1991, 1995, 1997, 2001, 2005, 2009 e 2013: um total de oito títulos, incluindo nas últimas seis edições. A Suécia conquistou o único título em 1984 e a Noruega venceu em 1987 e 1993. As outros países que conseguiram marcar presença em finais foram a Inglaterra (1984 e 2009) e a Itália (1993 e 1997).

4 Quem vai participar?

Na primeira fase final com 16 países, a Holanda recebeu a companhia das 15 selecções que ultrapassaram com sucesso a qualificação que começou em Abril de 2015: 14 directamente dos grupos e Portugal, que bateu a Roménia num “play-off”. Portugal, Áustria, Bélgica, Escócia e Suíça qualificaram-se pela primeira vez.

5 Como funciona a competição?

As equipas ficaram divididas em quatro grupos, com os dois primeiros de cada um a passarem aos quartas-de-final. A fase a eliminar começa a 29 de Julho.

Conheça as equipas
Conheça as equipas

6 Quais são os grupos?

As equipas ordenadas pelo seu coeficiente...

Grupo A: Holanda (anfitriã), Noruega, Dinamarca, Bélgica
Grupo B: Alemanha (campeã), Suécia, Itália, Rússia
Grupo C: França, Suíça, Islândia, Áustria
Grupo D: Inglaterra, Espanha, Escócia, Portugal

7 Quem são as favoritas?

Campeã desde 1995, a Alemanha é naturalmente a equipa a bater, especialmente depois de no ano passado ter conquistado pela primeira vez o ouro olímpico. Posteriormente a seleccionador Silvia Neid (no cargo desde 2005) apresentou a demissão e foi substituída por Steffi Jones, que venceu esta prova como jogadora em 1997, 2001 e 2005. Embora muitas das jogadoras decisivas em edições anteriores se tenham retirado ou estejam lesionadas, a Alemanha tem um campo de recrutamento muito superior às rivais e conta com inúmeras jogadoras com muitos títulos nos escalões jovens.

A França é apontada como a principal adversária da Alemanha e o lote de convocadas é dominado por Lyon e Paris Saint-Germain, que este ano disputaram a final da UEFA Women's Champions League. As francesas foram eliminadas nas duas últimas edições no desempate por grandes penalidades nos quartos-de-final, criando a fama de ficarem aquém dos objectivos, mas provaram todo o seu talento ao conquistarem em Março a competitiva SheBelieves Cup, empatando com a Alemanha e batendo a Inglaterra e os Estados Unidos, que jogavam em casa e são as detentoras do título mundial.

Veja golos memoráveis de Inglaterra
Veja golos memoráveis de Inglaterra

A Noruega, finalista vencida na última edição, e a Suécia, actual vice-campeã olímpica, têm de estar sempre entre os candidatos, enquanto a Inglaterra foi a melhor representante da Europa no Campeonato do Mundo Feminino de 2015, levando a melhor sobre a Alemanha na luta pelo bronze. Espanha e Suíça têm selecções muito talentosas, enquanto a Holanda pode beneficiar de jogar em casa.

Dos outros participantes, a Dinamarca vai querer lutar pela qualificação no Grupo A, onde a Bélgica é a equipa menos cotada. A Itália nunca falhou a passagem aos quartos-de-final, mas será difícil terminar à frente de Alemanha e Suécia, isto sem esquecer a Rússia. A Islândia está a disputar a terceira fase final consecutiva e pode dar luta à Suíça no Grupo C, onde a Áustria deve sentir grandes dificuldades. Portugal e a Escócia, fustigada por lesões, vão ter um duro teste no Grupo D. Os “derbies” de estreia marcados para 19 de Julho, quando Inglaterra e Espanha vão defrontar as vizinhas, devem deixar bons indícios do que esperar do resto da prova.

8 Quem as jogadoras a seguir?

Aqui fica uma pequena selecção...

Vivianne Miedema (atacante, Holanda) - o goleadora assinou recentemente pelo Arsenal e é fundamental para as esperanças das anfitriãs.

Ada Hegerberg (atacante, Noruega) - a detentora do Prémio de Melhor Jogadora da UEFA na Europa foi uma das melhores marcadoras na qualificação com dez golos e quer ganhar títulos na selecção para juntar aos troféus individuais e aos conquistados ao serviço do Lyon.

Dzsenifer Marozsán (médio, Alemanha) - poderíamos destacar várias jogadoras da Alemanha, mas Marozsán, organizadora de jogo do Lyon, é fundamental para as aspirações do seu país.

Hedvig Lindahl (guarda-redes, Suécia) - a Suécia será uma das mais fortes candidatas ao título se a guarda-redes do Chelsea jogar ao mesmo nível que fez nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Wendie Renard (defesa, França) - A França tem muito talento no ataque, mas a sua capitã é um esteio na defesa e também marca golos nas jogadas de bola parada.

Ramona Bachmann (atacante, Suíça) - um das várias jogadoras suíças capazes de decidir um jogo.

Jill Scott (médio, Inglaterra) - colocada num papel mais atacante pelo seleccionador Mark Sampson, a possante Scott tornou-se num elemento central no jogo de Inglaterra.

9 Há alterações nas regras da prova? 

Vão decorrer duas experiências: as equipas poderão recorrer a uma quarta substituição no prolongamento, enquanto os dirigentes nas áreas técnicas podem ser admoestados com cartões amarelos e vermelhos. Os desempates por grandes penalidades serão realizados da forma habitual, ao contrário do formato “ABBA” que foi experimentado esta época em competições dos escalões jovens.

10 Como posso acompanhar a prova?

No UEFA.com: vamos ter uma cobertura alargada com destaque para os blogues em directo de todos os jogos.

Na televisão: Os parceiros de transmissão da UEFA em todo o mundo.

Nas redes sociais: siga @UEFAWomensEURO no Facebook e Twitter e junte-se ao debate com #WEURO2017.