O "site" oficial do futebol europeu

Quão brilhante é Marta, jogadora brasileira do Rosengård?

Publicado: Terça-feira, 28 de Março de 2017, 11.25CET
Considerada uma das melhores jogadoras mundiais desde a sua estreia em 2004 e ainda a mostrar vitalidade, Marta ambiciona conquistar mais um título europeu.
por Paul Saffer
Quão brilhante é Marta, jogadora brasileira do Rosengård?
Marta nos Joogos Olímpicos de 2016, no Brasil ©Getty Images

Fotografias

  • Griedge M'Bock Bathy (Lyon) & Jill Scott (Manchester City)
  • Jill Scott (Manchester City) & Amel Majri (Lyon)
  • Lyon players celebrate
  • Alex Morgan (Lyon)
 
Publicado: Terça-feira, 28 de Março de 2017, 11.25CET

Quão brilhante é Marta, jogadora brasileira do Rosengård?

Considerada uma das melhores jogadoras mundiais desde a sua estreia em 2004 e ainda a mostrar vitalidade, Marta ambiciona conquistar mais um título europeu.

Marta está no topo do futebol feminino há muito tempo e custa acreditar que só recentemente completou 31 anos.

Eleita Melhor Jogadora do Ano FIFA cinco vezes consecutivas, entre 2006 e 2010, a avançada brasileira estabeleceu-se como um dos maiores nomes da vertente feminina da modalidade, com vários títulos individuais e colectivos a nível de clubes.

O que dizem dela
"Com a sua velocidade e técnica, é capaz de qualquer coisa. Queria ser como ela mas é o mesmo que um jogador querer imitar o Messi. São atletas impossíveis de copiar".
Sofia Jakobsson, antiga colega no Umeå

"Ela confere tanta paixão à modalidade, tanto entusiasmo. Penso mesmo que as suas colegas são contagiadas com essa paixão".
Hope Solo, guarda-redes dos Estados Unidos

Registo actual
Selecção: 115 jogos, 106 golos
Competições de clubes da UEFA: 55 jogos, 46 golos
Competições nacionais: 301 jogos, 245 golos

Curiosidades
Umeå
Com apenas 17 anos rumou à Suécia e pouco depois de atingir a maioridade estreou-se nas competições europeias, com dois golos nas meias-finais e três na final da Taça UEFA Feminina, onde derrotou o Frankfurt.

• Em cinco épocas no Umeå, ajudou o clube a sagrar-se tetracampeão nacional, terminando como melhor marcadora em três ocasiões.

• Disputou novamente a final da principal competição europeia feminina em 2007 e 2008, perdendo para Arsenal e Frankfurt.

• Entre 2009 e 2011 dividiu o seu tempo pelo futebol brasileiro e norte-americano. No país-natal ganhou a Copa Libertadores e a Taça do Brasil, enquanto em três clubes diferentes nos Estados Unidos, apenas num deles não se sagrou campeã e melhor marcadora.

Tyresö
• Em 2012 regressou à Suécia para representar o ambicioso Tyresö, conquistando o campeonato logo na época de estreia, após vencer na última jornada o Malmö, predecessor do Rosengård.

• Na estreia na UEFA Women's Champions League chegaram até à final de 2014, perdida por 4-3 para o Wolfsburgo apesar de um bis da avançada.

©Getty Images

Rosengård
• O colapso financeiro do Tyresö após essa final levou-a a ingressar no Rosengård, com quem se sagrou campeã sueca em 2014 e 2015.

• Desde que a jogadora "canarinha" está no clube, esta é a terceira época seguida em que alcança os quartos-de-final da UEFA Women's Champions League.

Brasil
• Internacional sénior pela primeira vez com apenas 16 anos, terminou o Campeonato do Mundo Feminino de 2007 como finalista vencida mas também melhor marcadora e eleita Melhor Jogadora. Do seu palmarés constam ainda medalhas de prata olímpicas em 2004 e 2008.

• Durante o Mundial Feminino de 2015, tornou-se na melhor marcadora de sempre da competição, com 15 golos. Ultrapassou ainda Pelé como goleador máximo de uma selecção brasileira.

O que talvez não saiba
• A transferência para o Umeå foi atrasada pois passaram dois meses a tentar contactá-la, desconhecendo que não tinha telemóvel.

• Foi um dos embaixadores do Campeonato do Mundo de 2014 e dois anos depois porta-estandarte da bandeira olímpica nos Jogos do Rio.

• Embaixadora do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDP), tornou-se na primeira mulher a alinhar num jogo oficial masculino, no caso o Jogo contra a Pobreza da UNDP, em 2007.

• No início do mês obteve a cidadania sueca, apesar de continuar a representar a selecção brasileira.

Discurso directo
"Quando comecei não havia equipas femininas, por isso tive de jogar em masculinas. Fui muito humilhada e insultada mas soube resistir. O mesmo aconteceu quando troquei o clima quente do Brasil pelo frio da Suécia. A minha vida sempre tem sido quebrar barreiras".

"A atenção do futebol sempre recaiu na Europa, a Champions League e os campeonatos europeus. E isso ajudou à evolução do futebol feminino".

©AFP/Getty Images

O que ainda pode alcançar
• Juntar novo título europeu ao de 2004, a que se seguiram três finais perdidas.

• Pode ser a primeira jogadora a marcar 50 golos nas competições europeias femininas. Com 46, é terceira no "ranking" e está a três da líder Anja Mittag.

Bilhetes para a final da UEFA Women's Champions League

• Figura emblemática da selecção brasileira, pode representá-la no seu quinto Campeonato do Mundo Feminino, em 2019, sendo que cumpriu todos os minutos nas quatro edições anteriores da prova.

Última actualização: 28-03-17 12.07CET

Informação relacionada

Perfis dos jogadores
    • Marta
    • Rosengård - Suécia
Federações membro
Perfis das equipas

http://pt.uefa.com/womenschampionsleague/news/newsid=2447951.html#quao+brilhante+marta+jogadora+brasileira+rosengard