Wolfsburgo repete feito em final emocionante

O Wolfsburgo tornou-se na terceira equipa a defender com êxito o título europeu feminino de clubes, após a mais emocionante das 13 finais: o UEFA.com analisa a época.

VfL Wolfsburg celebrate
©Sportsfile

O VfL Wolfsburg tornou-se no terceiro clube a defender com sucesso o título de campeão europeu feminino depois da mais entusiasmante das 13 finais até à data.

Em 2013, em Londres, o estreante Wolfsburgo frustrou a tentativa inédita do Olympique Lyonnais em conquistar o terceiro título seguido, ao vencer por 1-0 com uma grande penalidade apontada por Martina Müller. Müller, que se transferiu para o Wolfsburgo em 2005 (que acabara então de descer de divisão), marcou o golo decisivo de novo em Lisboa.

O Tyresö FF, adversário do Wolfsburgo, tal como o conjunto alemão em 2012/13, estreava-se nas competições europeias. Mas a sua equipa, incluindo Marta - que figurava na última equipa sueca vencedora do troféu, o Umeå IK, em 2004 -, não quis fazer da participação apenas uma experiência e no debutar absoluto contra o consagrado Paris Saint-Germain venceu por 2-1 no somatório da eliminatória. O Fortuna Hjørring, o primeiro conjunto da Áustria nos quartos-de-final, o SV Neulengbach e o Birmingham City LFC foram também afastados pelo clube dos arredores de Estocolmo.

O Pärnu JK, as suecas do FCR Malmö e o FC Barcelona, a primeira equipa espanhola a atingir os quartos-de-final, falharam a tentativa de destronar as campeãs. Porém, nas meias-finais registou-se um duelo alemão, no qual o 1. FFC Turbine Potsdam - que nos 16 avos-de-final prevalecera, graças aos golos marcados fora, sobre o Lyon, cuja derrota em casa por 2-1 na segunda mão foi a primeira em casa em sete anos - defrontava o Wolfsburgo. O Potsdam empatou em casa 0-0 com o Wolfsburgo e acabou derrotado na segunda mão por 4-2, depois de ter estado duas vezes em vantagem na primeira parte.

O Wolfsburgo era considerado favorito para a final disputada no Estádio do Restelo, em Lisboa, mas tudo parecia diferente ao intervalo: o Tyresö abriu o activo numa brilhante finalização de Marta, aos 28 minutos, a que Verónica Boquete deu sequência pouco depois. O ritmo e veia goleadora do Tyresö provou ser demasiado para o Wolfbsburgo, mas, na segunda parte, surgiu uma equipa transformada e o que se seguiu foram os 45 minutos mais emocionantes da história da competição.

O remate de cabeça de Alexandra Popp, aos 47 minutos, trouxe o Wolfsburgo de volta ao jogo e Müller depois fez o empate. O Tyresö pareceu arrumado, mas a finalização perfeita de Marta restaurou novamente a vantagem das suecas três minutos volvidos. No entanto, aos 68 minutos, com a defesa Meghan Klingenberg, do Tyresö, lesionada, a suplente Verena Faisst assinalou o seu 25º aniversário com a igualdade para o Wolfsburgo e, dez minutos depois, Nadine Kessler, melhor em campo, ultrapassou três defesas do Tyresö na área, aguentou a posse da bola e ofereceu o golo a Müller.

Apenas Milena Nikolić, do ŽFK Spartak, com 11 tentos, dez na fase de qualificação, marcou mais golos na prova do que Müller, autora de uma dezena. O Wolfsburgo elevou para oito as vitórias da Alemanha em 13 temporadas e, apesar de Conny Pohlers não ter saído do banco, arrecadou a quarta medalha de vencedora da competição e retira-se com 48 remates certeiros, máximo do certame. O Wolfsburgo igualou o Umeå (2003 e 2004) e o Lyon (2011 e 2012) na revalidação do título.

O treinador Ralf Kellermann afirmou ao UEFA.com: "Quando olhei para os olhos delas no intervalo durante a prelecção pude ver a motivação e a determinação que podiam fazer-nos dar a volta. Logo a seguir marcámos o nosso primeiro golo, e depois a confiança aumentou e a equipa esteve muito bem. E o terceiro golo sofrido não nos incomodou muito; continuámos a acreditar e foi sensacional."