Marco Asensio em exclusivo: "Este é um processo de crescimento"

"Vamos tentar jogar o nosso melhor e levar o troféu para casa", disse o avançado da selecção Sub-21 de Espanha, Marco Asensio, sublinhando a ambição da sua equipa antes do embate contra Portugal.

Marco Asensio após marcar à ARJ Macedónia
Marco Asensio após marcar à ARJ Macedónia ©AFP/Getty Images

No dia seguinte ao “hat-trick” alcançado frente à Antiga República Jugoslava da Macedónia, o atacante do Real Madrid, Marco Asensio, conversou com o UEFA.com sobre como decorre a concentração no centro de estágio da Espanha e sobre o embate de terça-feira à noite contra o vizinho Portugal, no Grupo B.

UEFA.com: Um “hat-trick” num triunfo por 5-0 parece ter sido um início perfeito para si, mas agora a Espanha terá pela frente Portugal. É este jogo fundamental para atingir as meias-finais?

Marco Asensio: Correcto. O segundo jogo, contra Portugal, é muito importante para nós. O nosso adversário também ganhou o primeiro jogo. Foi importante termos feito cinco golos na primeira partida e não ter sofrido nenhum, mas nunca se sabe o que poderá acontecer nos próximos embates, pelo que teremos de focar-nos no jogo com Portugal e tentar vencer. Só depois disso poderemos pensar no que vem a seguir. 

Como lida com a intensidade de estarem sempre juntos – é algo a que não estão habituados nos clubes. É um ambiente familiar?

Sim. Temos estado bem fora de campo e isso é muito importante, porque estamos juntos todos os dias. Como disse, somos quase uma família. Almoçamos juntos, todos partilham o quarto com um colega e treinamos juntos. É muito importante que haja um bom ambiente na equipa, porque isso depois reflecte-se em campo. 

Quem é o seu colega de quarto e como foi que acabaram juntos?

É o Dani Ceballos. Somos amigos desde os sub-19 e partilhamos o quarto desde que nos conhecemos. Fomos campeões europeus sub-19 e desde então temos estado juntos, agora também na selecção sub-21. 

O facto de se darem bem melhora o vosso relacionamento em campo?

Sim. Depende do relacionamento que se tem com os colegas, mas dou-me muito bem com o Dani. Ele é um bom amigo. Tenho de agradecer ao futebol por isso e também nos damos muito bem em campo.

Os dois estiveram juntos nos Sub-19 e agora também nos Sub-21. Que importância têm essas experiências para um jovem jogador?

Só se tem estas experiências uma vez na vida – tanto no campeonato de Sub-19 como no EURO Sub-21. É muito importante tirar o máximo dessas oportunidades. É também muito difícil conseguir jogar nessas provas devido às dificuldades que tivemos na qualificação ao longo dos últimos dois anos. Penso que é um processo de crescimento, mas a equipa tem vindo a melhorar e estamos neste torneio para dar o nosso melhor, jogar o melhor possível e levar o troféu para casa. Porque não?

Por último, e olhando para o jogo com Portugal, pode esperar-se um jogo aberto dado que o adversário também gosta de jogar com os laterais muito avançados?

Sim. Portugal tem uma equipa poderosa. Tem grandes jogadores e vamos ver como é que nos portamos. Temos de estar focados no nosso trabalho e fazer o nosso jogo, com a mesma filosofia que mostrámos diante da Macedónia, sendo cirúrgicos no ataque. Para além disso, vamos tentar ter o controlo da bola e mandar no jogo, como fizemos em todas as outras partidas. Não temos de mudar nada só porque vamos enfrentar Portugal.