O "site" oficial do futebol europeu

Márcio Sousa resolve

Desde 1988 que um Campeonato da Europa de juniores da UEFA não era ganho por um país anfitrião, mas Portugal soube tirar vantagem do factor-casa em 2003.

O conteúdo é transmitido de forma a que seja protegido e apenas disponível no formato flash. O seu aparelho não parece ser compatível com o leitor vídeo de flash.

Márcio Sousa resolve

Desde 1988 que um Campeonato da Europa de juniores da UEFA não era ganho por um país anfitrião, mas Portugal soube tirar vantagem do factor-casa em 2003.

Desde 1988 que um Campeonato da Europa de juniores da UEFA não era ganho por um anfitrião. No entanto, na época 2002/03, Portugal soube tirar partido do factor-casa no Campeonato da Europa de Sub-17.

A fase final de 2002 tinha arrancado com um emocionante empate (4-4), sendo que desta vez também começou com um belo espectáculo, que opôs os anfitriões à Dinamarca. Nos últimos oito minutos da primeira parte, Portugal esteve a perder por 1-0, chegou ao 2-1 e sofreu o 2-2. Aos 53 minutos, o suplente Manuel Curto marcou o tento da vitória da equipa da casa na primeira vez que tocou na bola. No outro jogo do Grupo A, a Áustria derrotou a Hungria por 1-0, enquanto no Grupo B a Inglaterra derrotou Israel por 2-1 e a Espanha venceu Itália por 2-0. Portugal garantiu a vitória no grupo na segunda jornada, derrotando a Áustria por 1-0, e a Dinamarca venceu a Hungria por 2-0, colocando assim um ponto final na esperança dos magiares. No Grupo B, a Espanha goleou Israel por 3-0, garantindo a presença nas meias-finais, enquanto a Inglaterra e a Itália empataram sem golos.

Dois dias mais tarde, uma vitória por 2-0 sobre a Hungria permitiu a Portugal manter um registo perfeito, ao passo que a Áustria também alcançou as meias-finais com uma vitória por 2-0 sobre a Dinamarca, graças aos golos de Patrick Mayer e Daniel Horvath. A Inglaterra precisava apenas de um ponto contra Espanha para seguir em frente no Grupo B, e depois de estar a perder por 2-0 ao intervalo, a equipa de John Peacock encetou uma bela recuperação e chegou ao empate, o que tornou vã a vitória italiana por 4-0 sobre Israel.

A Espanha, que chegava ao torneio com um número recorde de seis títulos na categoria de Sub-16, redimiu-se da derrota nas meias-finais em 2002 com uma vitória sobre a Áustria, por 5-2. David apontou quatro golos e seria o melhor marcador do torneio com um total de seis. A outra meia-final entre Portugal e Inglaterra foi bem mais renhida. Dean Bowditch deu vantagem aos ingleses aos oito minutos, mas Adelino Freitas empatou pouco depois. James Milner fez o 2-1 aos 21 minutos, mas Saleiro, que tinha saltado do banco, voltou a empatar, de cabeça, já em período de descontos. Seguiu-se a marcação de grandes penalidades e o falhanço de Grant Leadbitter colocou os anfitriões a caminho de uma final ibérica.

A Inglaterra voltaria a sofrer uma desilusão no jogo de atribuição dos terceiro e quarto lugares, já que o golo de Daniel Pirker, aos 53 minutos, deu à Áustria uma vitória por 1-0. Depois, na final, e perante uma multidão de 9,000 adeptos em Viseu, Márcio Sousa deu vantagem a Portugal antes do intervalo. Apesar de David ter igualado no início da segunda parte, Márcio Sousa voltou a marcar cinco minutos mais tarde, entregando o título a Portugal.

http://pt.uefa.com/under17/history/season=2003/index.html#marcio+sousa+resolve

  • © 1998-2014 UEFA . Todos os direitos reservados.
  • A palavra UEFA, o logótipo e o troféu do Campeonato da Europa de Sub-17 estão protegidos por marcas registadas e/ou direitos de autor da UEFA. As referidas marcas registadas não podem ser utilizadas para qualquer fim comercial. A utilização do UEFA.com implica o seu acordo com os Termos e Condições, e com a Política de Privacidade.