2006: Sevilha em grande no Mónaco

O Sevilha conquistou a SuperTaça Europeia de 2006, com golos de Renato, Frédéric Kanouté e Enzo Maresca a bastarem para vencer o campeão europeu Barcelona.

FC Barcelona 0-3 Sevilla FC

O Sevilla FC tornou-se na terceira equipa espanhola a vencer a SuperTaça Europeia, com golos de Renato e Frédéric Kanouté, juntamente com uma grande penalidade cobrada por Enzo Maresca, a valerem o triunfo num duelo espanhol frente ao FC Barcelona, no Mónaco.

Os vencedores da Taça UEFA tiveram pouco trabalho pela frente no Stade Louis II, depois de o médio brasileiro Renato ter aberto o activo logo aos sete minutos. Após Kanouté ter feito o segundo tento em cima do intervalo, o Sevilha estava perto de conseguir o segundo troféu europeu no espaço de quatro meses, o que ficou confirmado quando Maresca fechou a contagem, de penalty, já no último minuto.

O Barça teve algumas ocasiões, mas o vencedor da UEFA Champions League, que por duas vezes conquistou este troféu nos anos 90, foi incapaz de romper a bem organizada defesa do Sevilha.

O Sevilha entrou a um ritmo alucinante, com Victor Valdés chamado a intervir para travar um remate de longe de Luis Fabiano logo no minuto inaugural. O guardião catalão teve de aplicar-se novamente para impedir o golo de Julien Escudé, que fugiu à marcação de Rafael Márquez, após um cruzamento de Renato.

Valdés voltou a ser chamado para defender um remate de Fabiano, mas, infelizmente para o Nº1 do Barça, a recarga sobrou para Renato, que não errou o alvo e inaugurou o marcador.

Já em vantagem,o Sevilha não manteve o ritmo com que entrou em campo, dando a posse de bola ao Barcelona, com os campeões espanhóis perto de alcançarem a igualdade. Samuel Eto'o e Ronaldinho tiveram oportunidades para facturar, ao passo que no outro extremo do relvado Daniel Alves esteve, por duas vezes, perto de oferecer o golo a Luís Fabiano.

No entanto, quando o Barça estava a dominar, o golo chegou para o Sevilha. Valdés socou a bola para afastar o perigo proveniente de um canto, mas Jesús Navas reenviou o esférico para a área, com Kanouté a rubricar o segundo golo da noite para o Sevilha, mesmo em cima do intervalo.

O Barcelona continuou com dificuldades para encontrar espaços na bem organizada defesa do Sevilha na segunda parte, apesar de Eidur Gudjohnsen ter desperdiçado duas boas oportunidades logo após o recomeço. De novo, foi o Sevilha a encontrar os caminhos da baliza contrária.

Escudé serviu Kanouté dentro da área e o francês optou por oferecer o golo a Renato, que rematou ao lado da baliza à guarda de Valdés.

O guardião voltou a travar os intentos de Jesús Navas e Adrian, mas a noite do Sevilha ficou completa com o terceiro golo, conseguido nos últimos minutos quando Carles Puyol derrubou Antonio Puerta dentro da área, para Maresca facturar da marca de grande penalidade, fechando a contagem.