1986: Hagi catapulta o Steaua

FC Steaua Bucureşti 1-0 FC Dynamo Kyiv

Em várias formas, a SuperTaça Europeia de 1986 foi a primeira das finais modernas, ao mesmo tempo que marcou o final de uma temporada europeia bastante bem-sucedida por parte do FC Steaua Bucuresti. O tento apontado por Gheorghe Hagi aos 44 minutos foi o primeiro golo marcado na prova no espaço de dois anos, depois de a edição de 1985 ter sido cancelada. Esse golo bastou para que os romenos conquistassem o seu segundo troféu europeu no espaço de nove meses.

O Steaua derrotara, em Sevilha, o FC Barcelona no desempate por grandes penalidades para conquistar a Taça dos Clubes Campeões Europeus e defrontaria, agora, o FC Dynamo Kyiv, que também derrotara uma formação da Primera División, o Club Atlético de Madrid, no Stade Gerland, em Lyon, por 3-0, e vencera a Taça dos Vencedores de Taças.

Em vez de se jogar a SuperTaça Europeia no habitual formato dos jogos a duas mãos, em casa e fora, o Steaua e o Dínamo decidiram disputar o troféu num jogo único, com a UEFA a escolher o Stade Louis II, no Mónaco, como palco neutro para o encontro, que veio a ter lugar a 24 de Fevereiro de 1987. O mesmo estádio viria a ser, a partir de 1998, palco de todas as finais desde então.

Hagi marcou o único golo da partida ainda antes do intervalo. Oleg Blokhin cometeu uma falta a 25 metros de distância sobre Alin Stoica e a futura estrela da selecção romena cobrou o livre de forma irrepreensível, como o viria a fazer vezes sem conta ao longo da sua carreira.

O diário desportivo francês L'Equipe resumiu o encontro como tendo sido uma vitória das "pernas, músculos e nervos" dos romenos sobre os "cérebros" dos ucranianos. Tendo praticado um excelente futebol quando venceu a Taça dos Taças, o Dínamo partira para o jogo como favorito, mas, com o defesa Vladimir Bessonov lesionado, o Steaua assumiu o comando da partida. Marius Lacatus esteve perto de duplicar a vantagem da sua equipa aos 66 minutos, mas um golo bastaria para o sucesso romeno.