Dimitri Payet: Homem do momento no Marselha

Um génio quando se sente inspirado, Dimitri Payet pode estar a atingir o ponto alto da sua carreira no Marselha.

Dimitri Payet inspirou o Marselha na caminhada rumo à final
Dimitri Payet inspirou o Marselha na caminhada rumo à final ©AFP/Getty Images

"Tinha de regressar aqui, talvez porque também sou louco, mas gosto de sítios que são um pouco loucos", disse Dimitri Payet, de 31 anos. O UEFA.com analisa a carreira marcada por controvérsias do criativo do Marselha.

Rudi Garcia, treinador do Marselha, sobre Payet
"Conheço-o bem, contratei-o para o Lille [em 2011]. Por isso é que sei que ele tinha de regressar a Marselha. Ele adora o Marselha e os seus adeptos. É verdade que estava a dar-se bem em Inglaterra, mas o Marselha precisava dele e eu sabia o que ele podia dar à equipa."

"Ele está no auge da sua forma física desde Janeiro de 2018, por isso é que tem sido capaz de mostrar toda a sua qualidade. Tem sido um exemplo a seguir como capitão. Várias vezes tem conseguido elevar o nível da equipa na Europa League, e isso permitiu-nos chegar à final."

Números actuais

Veja Payet atormentar o Leipzig
Veja Payet atormentar o Leipzig

 Selecção: 35 jogos, 8 golos
Competições de clubes da UEFA: 41 jogos, 6 golos
Competições nacionais: 441 jogos, 88 golos

Evolução de Payet

• Nascido em Reunião, pequena ilha francesa no oceano Índico, Payet seguiu as pisadas de Florent Sinama Pongolle e Guillaume Hoarau em 1999 e rumou ao Le Havre, com 12 anos, para frequentar a academia do clube da Normandia. Mas regressou a casa em 2003.

• Após dar nas vistas no AS Excelsior, um clube local, Payet regressou a França em 2005, para jogar pelo Nantes. O clube teve dificuldade em lidar com ele mas não duvidava da sua qualidade. "Apesar do estilo demasiado descontraído, Dimitri era um jogador com talento inquestionável", disse Stéphane Moreau, responsável pelos escalões de formação. "Ele jogava e fazia jogar, sendo capaz de arrasar sozinho a equipa adversária".

• Transferido para o St-Étienne em 2007, após a despromoção do Nantes, mais uma vez brilhou e apagou-se, em igual medida. Payet teve um desentendimento com o capitão Blaise Matuidi a 8 de Maio de 2010, durante uma derrota com o Toulouse. Payet foi substituído e castigado pelo clube.

Payet começou a dar nas vistas no Lille
Payet começou a dar nas vistas no Lille©AFP/Getty Images

 • A primeira vez que se cruzou com Rudi Garcia foi no Lille, em 2011. Inicialmente, Payet esteve na sombra de Eden Hazard, antes de assumir o papel de organizador de jogo na sua segunda época, após a saída do belga em 2012. "Nessa temporada fez 12 golos e 12 assistências. Um 'Duplo 12'!", recordou Garcia.

• Payet bisou em 15 minutos na sua estreia pelo Marselha, depois de ser contratado em 2013, num triunfo por 3-1 sobre o Guingamp. Atingiu outro nível sob o comando de Marcelo Bielsa, com Jan van Winckel, treinador-adjunto do argentino, a dizer: "Bielsa foi o primeiro a reconhecer que Dimitri é um criativo e não um extremo. Dimitri é provavelmente, a par de Andrés Iniesta, o melhor jogador do Mundo a jogar de costas para a baliza".

Payet foi herói e vilão no West Ham
Payet foi herói e vilão no West Ham©Getty Images

 • Protagonizou uma transferência avultada para o West Ham em 2015 e marcou alguns golos fantásticos pelos londrinos, mas regressou ao Marselha em Janeiro de 2017.

• Brilhou pela França no UEFA EURO 2016, apesar da derrota dos anfitriões na final, frente a Portugal, ter deixado marca na sua família. Payet admitiu que os seus filhos "adoram Ronaldo e Messi", mas disse que desde a derrota dos "bleus" nesse jogo, "não têm o direito de pronunciar o nome de Ronaldo!".

Payet sobre a final da UEFA Europa League

"Quem está no futebol deseja participar nestes jogos grandes. Não é um jogo como os outros. É uma final, portanto apesar de ser preciso dar o máximo, como nos outros jogos, é necessário fazer algo mais, pois do outro lado vai estar uma grande equipa, que foi formada para tentar ganhar a Champions League. Agora está na Europa League e é favorita. Nós não temos esse rótulo, mas vamos dar tudo para ter sucesso."

"É semelha te ao EURO 2016, quando jogámos em casa. Somos capazes de sentir aquela paixão do povo francês. É assim que as coisas são. Penso que é óptimo e pode beneficiar-nos muito."

Topo