Juventus frustra Barcelona e apura-se para as meias-finais

Após a vitória por 3-0 na primeira mão dos quartos-de-final, a Juventus aguentou a pressão intensa do Barcelona em Camp Nou e impôs um nulo que a coloca nas meias-finais da UEFA Champions League.

Veja o melhor do jogo de Camp Nou, em que o Barcelona não conseguiu dar a volta à derrota de 3-0 averbada na primeira mão frente à Juventus, apurada para as meias-finais pela segunda vez em três anos.

A Juventus fez valer a vantagem de 3-0 trazida da primeira mão dos quartos-de-final em Turim e apurou-se para as meias-finais da UEFA Champions League pela 12ª vez, a segunda em três anos. No entanto, foi apenas a segunda ocasião em que a "vecchia signora" eliminou o Barcelona numa competição da UEFA e fê-lo graças a uma exibição plena de concentração e coesão defensiva, que lhe valeu um nulo em Camp Nou.

A primeira parte foi quase de sentido único, com o Barcelona à procura de um golo rápido que lhe desse possibilidade de anular a desvantagem na eliminatória. Porém, os italianos nunca enjeitaram a possibilidade de colocar os catalães em sentido.

À passagem do quarto-de-hora, Juan Cuadrado fugiu pela direita e, quando ia servir um isolado Gonzalo Higuaín, Gerard Piqué surgiu a realizar um corte providencial. E aos 17 foi a vez de Jordi Alba chegar atrasado a um lançamento longo, já dentro da grande área italiana. A Juventus era perigosa no contra-ataque, com a velocidade de Cuadrado e Paulo Dybala a causar problemas ao Barça. Porém, os da casa pressionavam bastante e Lionel Messi atirou um pouco ao lado aos 19 minutos, num disparo à entrada da área.

Aos poucos notava-se uma Juventus mais tranquila e segura a defender, perante um barça menos acutilante e, aos 38 minutos, Higuaín esteve perto do golo, mas Marc-André ter Stegen opôs-se bem ao desvio do argentino.

O intervalo acabou por chegar com um nulo no marcador. A coesa defesa da Juve não deu muitas veleidades a um Barcelona que dominou, com 61 por cento de posse de bola, rematou oito vezes contra quatro do seu adversário, mas só por uma vez enquadrado com a baliza de Gianluigi Buffon, por Messi.

Cuadrado esteve perto de marcar num remate cruzado pouco depois do reatamento, numa fase em que a Juve conseguia colocar três e quatro jogadores em velocidade nas suas transições. Mas Messi voltou a criar perigo em duas situações logo a seguir.

Porém, tanto Messi como os seus companheiros não estavam em noite inspirada, como mostram os números. Apenas um remate com direcção à baliza por parte do Barcelona em 17 tentativas. Buffon certamente esperava uma noite complicada, mas pouco teve de se aplicar.

Cuadrado esteve em foco
Cuadrado esteve em foco©AFP/Getty Images

Figura: Juan Cuadrado
Seria injusto destacar um só jogador da defesa da Juventus, pois o quarteto (e mais tarde quinteto) recuado dos italianos esteve irrepreensível. Não sendo um jogo de ataque para a Juventus foi, porém, Cuadrado o mais perigoso homem em campo, com descidas a grande velocidade pelo flanco direito que causou o pânico à defesa da casa. E podia ter marcado por duas vezes.

Momento: Cuadrado falha golo
O Barcelona é que tinha a despesa do jogo em termos ofensivos, mas Cuadrado era uma seta apontado à baliza catalã. No lance mais perigoso do jogo, aos 50 minutos, o colombiano surgiu solto na direita da grande área "blaugrana" e rematou cruzado. Por pouco não foi golo.

Luis Enrique, treinador do Barcelona
Foram duas equipas que jogaram ao ataque, em especial nós, por necessidade, mas a Juventus não ficou apenas na defensiva. Criámos ocasiões, mas não marcámos. Merecíamos ganhar, mas fica para a História a atitude dos jogadores e dos adeptos. Hoje a bola não quis entrar. No final fica a ideia de que fomos eliminados devido à pobre primeira parte que realizámos em Turim. Vou recordar-me dela durante muito tempo. Ainda assim penso que devemos estar orgulhosos.

Massimiliano Allegri, treinador da Juventus
Merecemos o apuramento e foi muito bom não termos sofrido golos em casa do Barcelona. Não sofremos remates perigosos do Barcelona, o que significa que defendemos muito bem. Esta equipa da Juventus tomou consciência da sua grandeza, mas ainda podemos melhorar. Não há grandes diferenças entre este Barcelona e o que nos derrotou na final de Berlim. Apenas que Neymar cresceu muito como jogador