De Marcelo a Matić: Dez das melhores contratações de Janeiro

Recordamos dez das melhores contratações de sempre de Janeiro no futebol europeu (2011 foi um ano particularmente positivo). O que acha desta nossa selecção?

©UEFA.com

Jaap Stam (do Willem II para o PSV, 1996)
Stam esteve no Willem II durante apenas seis meses, tempo suficiente para dar nas vistas e despertar o interesse de um PSV apostado em colocar ponto final numa série de três anos sem troféus. O defesa-central, então com 23 anos, ajudou a formação de Eindhoven a erguer a Taça da Holanda no final dessa temporada e o título de campeão holandês na temporada seguinte, antes de ser transferido para o Manchester United, em 1998, por 18 milhões de euros – na altura um valor recorde para um defesa.

Dejan Stanković (da Lázio para o Inter, 2004)
Problemas financeiros impediram a Lázio de rejeitar uma oferta do Inter de quatro milhões de euros mais incentivos; depressa se percebeu que tinha sido uma contratação a preço de saldo para os "nerazzurri". Stanković afirmou-se como um ídolo dos adeptos da turma de Milão ao marcar na sequência de um pontapé de canto ao rival AC Milan poucas semanas depois de chegar. No Inter acabou por conquistar cinco "scudetos" e a UEFA Champions League em 2010.

Nemanja Vidić (do Spartak Moskva para o Manchester United, 2006)
Sir Alex Ferguson bateu Liverpool e Fiorentina na contratação do defesa sérvio e não tardou a perceber-se a razão de tanta concorrência pelos serviços do jogador. Já não havia nada a fazer para travar o Chelsea em 2005/06, mas a partir daí a parceria de Vidić com Rio Ferdinand no centro da defesa do United foi o pilar do início de mais uma era de domínio dos "red devils", juntamente com a chegada de outro jogador contratado no Inverno de 2006, Patrice Evra.

Klaas-Jan Huntelaar (do Heerenveen para o Ajax, 2006)
Esta contratação por nove milhões de euros tratou-se de um duplo golpe infligido pela turma de Amesterdão aos rivais: não só passou a contar com o mais promissor dos avançados do futebol holandês como ficou com um jogador que chegou a fazer parte dos quadros do PSV. Huntelaar marcou 105 golos em 136 jogos pelo Ajax antes de, três Invernos depois, rumar ao Real Madrid por 27 milhões de euros.

Grandes transferências de jovens jogadores
Grandes transferências de jovens jogadores

Marcelo (do Fluminense para o Real Madrid, 2007)
"Uma pérola que era desejada por meia Europa," salientou o presidente Ramón Calderón após garantir a contratação de Marcelo, então de apenas 18 anos. Mais de uma década, quatro Ligas espanholas e três UEFA Champions Leagues depois, percebe-se a razão daquelas palavras. Outro jogador vindo da América do Sul nesse Inverno, Gonzalo Higuaín, também se revelou um achado.

Andrea Barzagli (do Wolfsburgo para o Juventus, 2011)
Os 300 mil euros mais bem gastos de sempre por parte da Juve. Barzagli não era, de todo, um desconhecido – somava já 25 internacionalizações pela selecção principal de Itália e tinha ajudado o Wolfsburgo a conquistar a Bundesliga em 2008/09. Mas a sua carreira tinha estagnado. Os "bianconeri", ainda assim, acreditaram nele e trouxeram-no para formar um sector defensivo ao lado de Leonardo Bonucci, Giorgio Chiellini e Gianluigi Buffon. Ganharam seis títulos de campeões de Itália consecutivos desde então.

Luis Suárez e Ivan Rakitić estão agora no Barcelona
Luis Suárez e Ivan Rakitić estão agora no Barcelona©Getty Images

Luis Suárez (do Ajax para o Liverpool, 2011)
Os "reds" não demoraram muito para gastar os 57,5 milhões de euros que tinham recebido com a venda de Fernando Torres para o Chelsea, contratando Andy Carroll (por 40,25 milhões) e Suárez (por 26,5 milhões). Carroll apontou 11 golos em 58 jogos pelo clube antes de partir, um ano e meio depois. Suárez fez bem melhor, com 82 golos em 133 jogos, 31 deles na época de 2013/14, na qual o Liverpool ficou à beira da conquista da Premier League. O Barcelona precisou, depois, de pagar 82,3 milhões de euros para o contratar.

Ivan Rakitić (do Schalke para o Sevilha, 2011)
O internacional croata nascido na Suíça acabou por tornar-se no primeiro futebolista estrangeiro a capitanear o Sevilha desde Diego Maradona e em 2014 liderou a equipa rumo à primeira de três vitórias consecutivas na UEFA Europa League, antes de se mudar para o Barcelona.

Juanfran (do Osasuna para o Atlético Madrid, 2011)
Um extremo tecnicamente dotado no Osasuna, Juanfran foi transformado em lateral no Calderón e tem mostrado uma fiabilidade sem igual no lado direito da temível defesa do Atlético ao longo dos últimos sete anos. Nada mau para um jogador que chegou a fazer parte dos quadros do Real Madrid.

Nemanja Matić (do Chelsea para o Benfica, 2011)
Um golpe de génio. Contratado como parte do negócio da venda de David Luiz para Stamford Bridge, o médio sérvio depressa foi transformado de organizador de jogo para médio-defensivo nas "águias", mostrando-se preponderante na equipa que quase chegou à glória na UEFA Europa League em 2013 – acabando, porém, derrotada pelo Chelsea na final. Rendeu, depois, 25 milhões ao Benfica quando os "blues" decidiram contratá-lo de volta, no ano seguinte.

Topo