Totti diz adeus

Depois de Francesco Totti ter disputado o seu último jogo, ao serviço da sua equipa de sempre, o UEFA.com olha para o que fez do avançado de 40 anos o "Rei de Roma" para os "giallorossi".

©Getty Images

A emoção foi muita no encerrar da magnífica carreira de Francesco Totti ao serviço da Roma, no domingo. O avançado de 40 anos saltou do banco à passagem do minuto 54 da recepção ao Génova e ajudou os seus amados "giallorossi" a somarem uma vitória por 3-2 ao cair do pano de forma a garantirem o segundo lugar final na Serie A e um lugar na fase de grupos da UEFA Champions League.

Foi o jogo número 786 de Totti ao serviço do clube que representou desde 1993. O antigo internacional despediu-se com uns notáveis 307 golos pelo clube e leva consigo o apreço eterno dos adeptos da Roma. O UEFA.com explica o porquê de metade da capital de Itália o eleger como o sei Rei.
 
Nunca abandonou o clube
Estreante em 1993, Totti passou toda a sua carreira na Roma. "A Roma é tudo para mim, tudo o que uma pessoa pode desejar: paixão, amor, alegria – a equipa que sempre apoiei e sempre vou apoiar", disse uma vez ao UEFA.com.

Esse compromisso, aliado à sua classe como avançado, ajudaram a criar a lenda de Totti.

Até Lionel Messi colocou no Instagram uma foto sua com Totti, após o Troféu Joan Gamper do passado Verão, com a legenda: "UN GRANDE !!! Qué fenómeno !!!" ("UM GRANDE !!! Que fenómeno !!!")

Altruísmo e sentido de humor
Embaixador da boa vontade da UNICEF desde 2003, Totti tem desempenhado o cargo com seriedade: publicou um livro sobre piadas que foi campeão de vendas, cantou e até disputou um jogo de exibição com o tenista Novak Djoković. Mesmo a camisola que recebeu de Messi foi destinada a um leilão com fins solidários, em vez de ir para a sua colecção pessoal.

Mesmo a camisola de Messi que recebeu do Barcelona foi para um leilão de solidariedade em vez de ficar na sua colecção pessoal.

Nem é egoísta no que toca à sua camisola. Há motivos mais do que suficientes para a Roma retirar o nº10 de Totti agora que este deixa de jogar, mas o avançado 58 vezes internacional por Itália defende o contrário.

"O nº10 é como uma segunda pele para mim, mas outros devem ter a oportunidade de o envergar e, acima de tudo, honrar, marcando o maior número de golos possíveis", disse há dois anos.

Continuou sempre ao mais alto nível
"Tenho 38 anos mas não me sinto velho", disse Totti ao UEFA.com após se tornar no jogador mais velho a marcar na história da UEFA Champions League em 2014, três dias depois de comemorar mais um aniversário. E, dois anos depois de celebrar o seu 40º aniversário, fez nada mais, nada menos do que três assistências para golo num triunfo por 4-0 da Roma sobre o Astra Giurgiu, em jogo da UEFA Europa League.

Daniele De Rossi, outro fiel da Roma, apelidado de "Capitão Futuro" e encarado como sucessor natural de Totti, disse: "Continua a fazer coisas incríveis em campo. Penso que estou destinado a ser o 'Capitão Futuro' para sempre – ele é o eterno capitão".

Até os seus penalties eram especiais
Totti até conseguia fazer com que a marcação de grandes penalidades tovesse estilo – basta lembrar o penalty "à Panenka" que converteu frente à Holanda, nas meias-finais do UEFA EURO 2000. "Para rematar assim, num jogo tão importante, é preciso ser-se louco ou então muito bom", disse outrora. "Não creio que seja louco".

Veja cinco grandes golos de Francesco Totti
Veja cinco grandes golos de Francesco Totti

Os seus festejos faziam com que que cada golo parecesse especial
Apesar de marcar muitos golos, e nunca se cansar de os celebrar, os tentos marcados frente à Lázio despertam o seu lado criativo. Em 2012 assumiu o lugar de um operador de câmara para filmar os festejos na Curva Sud, enquanto em 2015, após tornar-se no melhor marcador de sempre do derby romano, pegou num telemóvel e tirou uma "selfie" com os adeptos da Roma na bancada atrás de si.

Quando ultrapassou Roberto Baggio como melhor marcador de sempre da Serie A, em 2011, Totti levantou a camisola para mostrar uma t-shirt com a seguinte frase: "O Rei de Roma não está morto". E embora o Rei se tenha agora retirado, o seu lugar enquanto lenda de Roma e do futebol mundial está para sempre garantido.