Recuperações notáveis na UEFA Champions League

O Barcelona alcançou a maior recuperação de sempre em eliminatórias da UEFA Champions League ao eliminar o Paris Saint-Germain e o UEFA.com aproveita para recordar outras reviravoltas memoráveis.

Sánchez Víctor & Juan Carlos Valerón (RC Deportivo La Coruña) 2004
©AFP/Getty Images

Chelsea FC 3-1 FC Barcelona
FC Barcelona 5-1 Chelsea FC (após prolongamento)
Quartos-de-final de 1999/00
O Chelsea só se tornou um colosso europeu com a chegada de Roman Abramovich, pelo que o triunfo na primeira mão sobre o Barcelona de Louis van Gaal foi uma grande surpresa conseguida pelo conjunto orientado por Gianluca Vialli. A equipa de Londres esteve a sete minutos de vencer a eliminatória, quando Tore André Flo marcou o seu terceiro tento no embate ao reduzir para 2-1 na segunda mão em Camp Nou, mas Dani García fez um golo que levou o jogo para prolongamento. Uma grande penalidade de Rivaldo e um tento de Patrick Kluivert foram fatais para o Chelsea nos 30 minutos suplementares. Luís Figo concluiu: "Naquele dia fizemos um jogo perfeito."

"Foi a noite mais bela da minha vida", comentou Gabri García. "Sofremos um grande revés, mas conseguimos dar a volta à situação", acrescentou Luís Figo, enquanto Vialli resumiu desiludido: "Fizemos aquilo que não queríamos: defendemos de forma negativa." 

AC Milan 4-1 RC Deportivo La Coruña
RC Deportivo La Coruña 4-0 AC Milan
Quartos-de-final de 2003/04
O recorde. Walter Pandiani deu vantagem ao Depor em San Siro, mas no final do encontro já ninguém se recordava do golo do uruguaio, porque o Milan tinha arrasado os galegos. Para a segunda mão, no Riazor, o treinador do Deportivo, Javier Irureta, limitava-se a sonhar. "É uma tarefa muito complexa, difícil e um enorme desafio ", explicou. "Mas muitas vezes acontecem milagres no futebol, coisas difíceis de explicar no plano racional."

07/04/04: Deportivo’s record comeback
Resumo: O Deportivo despertou a tempo

Incrivelmente, a equipa espanhola chegou ao intervalo do segundo jogo já em vantagem na eliminatória, com Pandiani, Juan Carlos Valerón e Alberto Luque a levarem o marcador até aos 3-0, mas o suplente Fran González aumentou a surpresa quando fez o 4-0 aos 76 minutos. Irureta prometeu seguir os caminhos dos peregrinos até Santiago de Compostela depois de ter rezado pelo triunfo. "Vale a pena ir a Santiago depois desta vitória", explicou. "Vou fazer a caminhada porque uma promessa é uma promessa." 

Real Madrid CF 4-2 AS Monaco FC
AS Monaco FC 3-1 Real Madrid CF
Quartos-de-final de 2003/04
A magia que tinha permitido ao Mónaco chegar aos quartos-de-final parecia ter desaparecido definitivamente quando soou o apito final no jogo no Santiago Bernabéu, a 24 de Março de 2004. O Real Madrid marcou quatro golos no segundo tempo e goleava a equipa do principado, mas o golo apontado por Fernando Morientes para os visitantes aos 83 minutos seria uma tábua de salvação. O treinador Didier Deschamps não estava disposto a baixar os braços antes da segunda mão, afirmando: "Se eu pensasse que estava derrotado, mais valia ficar em casa."

Os franceses chegaram ao intervalo do segundo jogo a perder por 1-0 e Deschamps poderá ter sentido vontade de atirar a toalha ao chão, mas Ludovic Giuly empatou, Morientes, emprestado pelo Real Madrid, fez o segundo golo dos anfitriões de cabeça e Giuly bisou para elevar para 3-1. A vantagem do Mónaco devido aos golos marcados fora de casa esteve quase a esfumar-se nos minutos finais, mas Raúl González rematou por alto. Morientes ficou com dúvidas sobre se devia comemorar. "É claro que estou muito feliz com a vitória do Mónaco", afirmou. "Mas tenho muitos amigos em Madrid e devem estar a passar por um mau momento." 

John Terry & David Luiz (Chelsea FC)
©Getty Images

SSC Napoli 3-1 Chelsea FC
Chelsea FC 4-1 SSC Napoli (após prolongamento)
Oitavos-de-final de 2011/12
Uma mudança de treinador motivou uma reviravolta surpreendente para o Chelsea. O último jogo europeu de André Villas-Boas no comando dos londrinos terminou com uma derrota em Nápoles. Juan Mata ainda deu vantagem aos visitantes, mas Ezequiel Lavezzi bisou e Edinson Cavani também contribuiu com um golo para deixar os ingleses perto da eliminação. "Há uma grande possibilidade de este golo marcado fora nos permitir dar a volta à eliminatória", declarou Villas-Boas no final do encontro.

Na segunda mão, o treinador português já tinha sido substituído por Roberto Di Matteo e os golos de Didier Drogba, John Terry e Frank Lampard levaram o jogo para prolongamento, com Branislav Ivanović a consumar a eliminação dos italianos aos 105 minutos. "Já vivi noites memoráveis, mas este jogo deve ficar na história do clube", afirmou Di Matteo, sem saber que esta seria a primeira de algumas surpresas até ao final da época

AC Milan 2-0 FC Barcelona
FC Barcelona 4-0 AC Milan
Oitavos-de-final de 2012/13
Nunca uma equipa tinha conseguido anular uma desvantagem de dois golos da primeira mão sem ter marcado um golo em casa do adversário, mas o Barcelona fez história e contrariou a tradição com o apoio estridente dos adeptos de Camp Nou. Lionel Messi marcou dois golos sensacionais na primeira parte e fez esfumar a vantagem do Milan, enquanto um remate certeiro de David Villa no início do segundo tempo deixou os catalães em vantagem na eliminatória.

A equipa da casa precisou de um pouco de sorte, quando o resultado estava em 1-0, M'Baye Niang rematou ao poste da baliza espanhola, mas confirmou a passagem à ronda seguinte quando Jordi Alba acelerou para fazer o 4-0 em tempo de compensação. Massimiliano Allegri saiu vergado à derrota e reconheceu que o Barcelona tinha jogado "extraordinariamente bem", enquanto Lionel Messi afirmou ao UEFA.com: "Este é o Barça que nós e os adeptos queremos ver em todos os jogos." 

Olympiacos FC 2-0 Manchester United FC
Manchester United FC 3-0 Olympiacos FC
Oitavos-de-final de 2013/14
O espírito de Alex Ferguson perdura em Old Trafford! A saída do emblemático escocês, no Verão anterior, assinalou o fim de uma era para a metade vermelha de Manchester, mas a velha atitude inabalável manteve-se bem viva. O toque soberbo de Alejandro Domínguez e um bom golo de Joel Campbell deixaram o Olympiacos à beira dos quartos-de-final da UEFA Champions League pela primeira vez nas últimas 15 épocas, mas esse sonho foi estilhaçado.

Robin van Persie causou os estragos. O holandês inaugurou o marcador de grande penalidade, apontou o segundo à beira do intervalo e depois completou a reviravolta na marcação de um livre, a abrir a segunda parte – o seu primeiro "hat-trick" na UEFA Champions League. O resultado estava pleno de história: fazia 30 anos que o United não anulava uma desvantagem tão grande nas competições europeias – frente ao FC Barcelona, na Taça dos Clubes Campeões Europeus.

Demba Ba (Chelsea FC)
O remate de Demba Ba apura o Chelsea©Getty Images

Paris Saint-Germain 3-1 Chelsea FC
Chelsea FC 2-0 Paris Saint-Germain
Quartos-de-final de 2013/14
Novamente o Chelsea! Desta vez foi uma equipa orientada por José Mourinho a ter de correr atrás do resultado, após um autogolo de David Luiz, na segunda parte, e um golo de Javier Pastore, aos 93 minutos, terem ditado uma derrota por 3-1 na capital francesa. No fim de contas, o tento madrugador de Eden Hazard, de grande penalidade, veio a revelar-se fundamental para a recuperação dos londrinos.

Seis dias depois, André Schürrle saltou do banco de suplentes e inaugurou o marcador para os anfitriões, aos 32 minutos. Tal como Schürrle, outro suplente, Demba Ba, espoletou festejos efusivos a três minutos do fim, quando fez o 2-0 para o Chelsea, que se apurou devido aos golos fora. "Esta noite arriscámos tudo", disse Mourinho. "Se, por alguma razão, não tivéssemos marcado aquele segundo golo, mesmo assim teríamos ficado orgulhosos dos rapazes". 

FC Porto 3-1 FC Bayern München
FC Bayern München 6-1 FC Porto
Quartos-de-final de 2014/15
O Porto não chegava às meias-finais desde que erguera o troféu pela última vez, em 2003/04, mas dois golos de Ricardo Quaresma nos primeiros dez minutos do jogo da primeira mão pareciam colocar os “dragões” no bom caminho para inverterem essa situação. Thiago Alcántara reduziu a desvantagem do Bayern antes do intervalo, mas Jackson Martínez restaurou, na segunda parte, a vantagem de dois golos com a qual a formação portuguesa viajou para a Alemanha.

Ao fim de quinze minutos na segunda mão, em Munique, o Bayern já estava na frente do embate graças a golos de Thiago e Jérôme Boateng. Robert Lewandowski marcou, depois, por duas vezes, com Thomas Müller a marcar pelo meio num remate ainda desviado por um defesa. E, apesar de Jackson Martínez ainda ter reduzido para o Porto, o Bayern carimbou em definitivo o apuramento com um golo de Xabi Alonso, o sexto da turma bávara na noite.

Highlights: Watch Cristiano Ronaldo's hat-trick
Ronaldo elimina o Wolfsburgo

Wolfsburgo 2-0 Real Madrid
Real Madrid 3-0 Wolfsburgo
2015/16 quarter-finals

O Wolfsburgo nunca tinha estado nos quartos-de-final antes mas, frente à equipa com mais presenças em quartos-de-final da história, colocou-se em boa posição para se apurar para as meias-finais graças a golos de Ricardo Rodriguez e Maximilian Arnold ainda na primeira parte do jogo da primeira mão. Os dois treinadores, contudo, sabiam que nada estava decidido: "O lado bom é esse: podemos ter tido uma noite má, mas ainda falta o jogo da segunda mão," disse Zinédine Zidane.

Por seu lado, Dieter Hecking, treinador do Wolfsburgo, avisou: "Sabemos o que nos espera em Madrid". Mas, mesmo sabendo, não foi capaz de o evitar: dois golos de Cristiano Ronaldo no espaço de 86 segundos igualaram a eliminatória para o Real ao fim de apenas 17 minutos. O internacional português completaria, depois, o seu "hat-trick", e mais outra noite europeia da sua equipa, com a transformação de um livre aos 77 minutos. No final do jogo, disse: "Os golos fazem parte do meu ADN. Foi uma noite perfeita, mágica."