O "site" oficial do futebol europeu

As melhores alcunhas do futebol europeu

Publicado: Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017, 14.04CET
Rato Mickey, Truta, Homem Cobra, O Mosquisto, Cabeça de Dragão: o UEFA.com assinala o Dia do Animal com as melhores alcunhas dos jogadores do futebol europeu.
As melhores alcunhas do futebol europeu
Ricardo Quaresma (Beşiktaş) ©AFP/Getty Images

Especiais UEFA.com

Programa UEFA ASSIST lançado
  • Programa UEFA ASSIST lançado
  • Futebol europeu apoia diversidade, inclusão e acessibilidade
  • Licenciamento de Clubes e Fair Play Financeiro no bom caminho
  • Recordações do Mónaco - UEFA Direct 171 já saiu
  • Luís Figo reforça UEFA como conselheiro para o futebol
  • Maiores séries sem perder no futebol europeu
  • As melhores alcunhas do futebol europeu
  • Desempates por penalties: pontapés para a história
  • Rui Jorge e a importância do EURO Sub-21 para os jogadores
  • Seleccionadores europeus que regressaram ao cargo
1 de 10
Publicado: Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017, 14.04CET

As melhores alcunhas do futebol europeu

Rato Mickey, Truta, Homem Cobra, O Mosquisto, Cabeça de Dragão: o UEFA.com assinala o Dia do Animal com as melhores alcunhas dos jogadores do futebol europeu.

A criatividade no futebol não é exclusivo dos jogadores no relvado ou dos treinadores no banco. O UEFA.com lançou o desafio à equipa de correspondentes e aos seguidores no Twitter para partilharem as suas alcunhas preferidas no futebol - do passado e do presente - e estes são os melhores exemplos.

Assassino com Cara de Bebé
Ole Gunnar Solskjær (NOR)
A habilidade goleadora do treinador do Cardiff City FC - e a cara sempre jovem - deram-lhe esta popular alcunha. Mesmo aos 44 anos poderia passar por um adolescente de 14.

Bieber
Aleksandr Kokorin (RUS)
O colega na selecção da Rússia, Roman Shirokov, foi o primeiro a notar as parecenças entre o avançado do FC Dinamo Moskva e Justin Bieber, a grande estrela pop canadiana do momento.

Rabo Grande
Dragan Vujović (MNE)
Um traseiro grande demais, ou "Guzo" (rabo grande), deixa implícita alguma apetência natural para a preguiça, mas esta alcunha foi usada com carinho para apelidar a estrela do FK Budućnost Podgorica nos anos 70 e 80, cujo talento e visão de jogo compensavam sempre alguma falta de vontade e espírito de sacrifício.

©Getty Images

Billy 'Cesar' McNeill

César
Billy McNeill (SCO)
Apesar da sua liderança ser extraordinária, os colegas na equipa do Celtic FC que venceu a Taça dos Clubes Campeões Europeus não chamaram ao seu capitão Caesar, mas antes César - numa referência a Ocean's Eleven, o filme de Rat Pack. Os jogadores do Celtic encontraram semelhanças entre eles próprios e as estrelas do filme, e McNeill ficou com o papel de Cesar Romero, sobretudo porque era o único elemento da jovem equipa escocesa a ter um carro naquela altura.

O Diabo
Rıdvan Dilmen (TUR)
Um dos jogadores favoritos para os adeptos do Fenerbahçe SK nos anos 90, Dilmen foi apelidado de Şeytan (o diabo) pelo treinador Kemal Dirikan no Muğlaspor, porque era ágil, rápido e extremamente astuto.

Dimbo
Ferenc Deák (HUN)
Outra alcunha dirigida à parte traseira da fisionomia, neste caso do avançado húngaro dos anos 40 também conhecido por Bamba - uma palavra húngara que sugere que alguém é lento e pesado - que, por causa da permanente presença no círculo central do campo, levava os adversários a sentirem uma falsa sensação de segurança e ausência de perigo que ele depois aproveitava para rapidamente atacar a bola e marcar golos. Foi um método eficaz: Deák marcou 66 golos pelo SZAC na época de 1945/46.

Dino
Jan Koller (CZE)
O avançado checo nunca se livrou da alcunha relacionada com o nome do conhecido dinossauro da ficção, por causa da altura que já tinha enquanto jovem. "Quando mudava de equipa, havia sempre um jogador checo no plantel que se lembrava desse nome e por isso essa alcunha acompanhou-me ao longo da minha carreira", recordou Koller. Mesmo assim, foi de sorriso na cara que o checo esteve presente no jardim zoológico de Olomouc para o baptismo de uma girafa que, em sua honra, se ficou a chamar Dino.

Cabeça de Dragão
Cătălin Munteanu (ROU)
Antigo internacional pela Roménia, Munteanu passou grande parte da carreira em Espanha, mas nunca conseguiu escapar à alcunha de Cap de Zmeu (Cabeça de Dragão), por causa do anormal tamanho da sua cabeça quando comparado com o resto do corpo.

A Enguia
Dragoje Leković (MNE)
O guarda-redes montenegrino, habitual internacional pela Jugoslávia durante os anos 90, foi apelidado de Jegulja (Enguia) - ou Jego como diminutivo - desde o inicio da carreira, por ser muito alto e magro.

O Jardineiro
Julio Cruz (ARG)
De acordo com a lenda, o antigo avançado do FC Internazionale Milano foi apelidado de jardineiro porque trabalhou como tratador de relva no CA Banfield, o primeiro clube que representou, em 1993. Foi chamado para equilibrar o número de jogadores em cada equipa durante um treino e impressionou de tal maneira que assinou contrato. Outra das histórias que se contam é que ganhou esta alcunha após ter sido fotografado sentado num tractor. No Inter, também era conhecido por Poncherello, por causa das semelhanças com um personagem da série dos anos 80, Chips.

Harry Potter
Ricardo Quaresma (POR)
Os adeptos dos clubes por onde passou em Portugal admiram Quaresma - especialmente na sua fase mais jovem - pela forma como trabalhava quase de forma mágica em campo, atribuindo ao internacional luso, como alcunha, o nome do mais famoso jovem mágico do Mundo.

O Pequeno Aeroplano
Vincenzo Montella (ITA)
Agora treinador da ACF Fiorentina, Montella ganhou a alcunha de L'Areoplanino (o pequeno aeroplano) pela forma como o avançado de 1,72m de altura celebrava, de braços abertos, os golos que marcava.

O Pequeno Cortador de Relva
Stig Tøfting (DEN)
O seleccionador da Dinamarca, Richard Møller Nielsen, deu esta rara alcunha ao médio Tøfting devido à enorme quantidade de trabalho realizado pelo jogador a meio-campo durante os jogos.

A Pequena Ervilha
Javier Hernández (MEX)
O avançado do Real Madrid CF usa o nome de Chicharito (pequena ervilha) nas costas da sua camisola. A alcunha já vem do seu pai – que também se chama Javier Hernández –, que era apelidado de Chicharo (ervilha) por causa dos seus impressionantes olhos verdes.

O Pequeno Floco de Neve
Ronald Koeman (NED)
Durante o tempo que jogou no FC Barcelona, o médio holandês era chamado de Floquet de Neu (floco de neve) por causa do cabelo loiro. Curiosamente, a alcunha surgiu por causa de um gorila albino que habitava no jardim zoológico de Barcelona.

Rato Mickey
António Simões (POR)
Podia ser um insulto em qualquer outra parte do Mundo, mas a estrela do SL Benfica nos anos 60 e 70, Simões, foi apelidado de Rato Mickey por razões bem diferentes - um elogio ao facto de, apesar de ser pequeno, ter imensa energia em campo.

O Mosquito
Erik Mykland (NOR)
Há vários mosquitos no futebol europeu, mas nenhum desfrutou tanto desta alcunha - Myggen em norueguês - como o pequeno médio da Noruega, Mykland. Até chegou a imitar, com os braços, o voo de um mosquito quando marcou um golo.

Nureyev
Vasilis Hatzipanagis (GRE)
A versão grega de Diego Maradona, Hatzipangis, um excelente driblador, disse um dia: "Quando vejo os defesas à minha frente, quero fintá-los a todos." O seu excelente trabalho de pés serviu de inspiração para criar a alcunha, em honra do bailarino russo Rudolf Nureyev.

Tamanho único
Fitz Hall (ENG)
Acredite em nós – se dominar bem a língua inglesa é uma alcunha muito engraçada. Numa explicação rápida, em inglês existe a expressão "One size fits all", que significa algo como "tamanho único". Chegou lá?

©Getty Images

Cristián 'Cebola' Rodríguez

Cebola
Cristián Rodríguez (URU)
O jogador do Club Atlético de Madrid chegou à Europa com uma grande reputação e uma alcunha ainda maior. Os adeptos no Uruguai chamavam-no de "El Cebolla" (cebola) por causa da velocidade e do rápido trabalho de pés, que eram suficientes para deixar os adversários quase a chorar.

Pinturicchio (Pequeno Pintor)
Alessandro Del Piero (ITA)
O antigo dono da Juventus, Gianni Agnelli, gostava de comparar os avançados da equipa com artistas de topo do período renascentista, e o jovem Del Piero foi desde logo apelidado juntamente com o mais experiente colega de equipa, Roberto Baggio. "Se Baggio é Rafael, Del Piero é Pinturiccio", disse Agnelli. Pinturicchio significa "pequeno pintor", mas foi também o nome usado para celebrar o artista Bernardino di Betto no seu período mais glorioso.

O Gigante Adormecido
Roman Pavlyuchenko (RUS)
Enquanto treinou a Rússia, entre 2006 e 2010, Guus Hiddink apelidou Pavlyuchenko de gigante adormecido - um tributo à altura do jogador e ao seu hábito de não fazer grande coisa durante os jogos e depois conseguir marcar golos decisivos.

Homem-Cobra
Rob Rensenbrink (NED)
Um dos jogadores-chave na Holanda durante a década de 70, o avançado era para os adeptos o De Slangemens (homem cobra), devido ao seu corpo esguio e às suas enleantes fintas.

A Esfinge
Robert Herbin (FRA)
Treinador do AS Saint-Étienne durante os anos 70, o cabelo ruivo de Herbin foi impossível de esquecer em França, tal como as suas enigmáticas conferências de imprensa - onde todas as palavras eram bem medidas - e que fizeram nascer as comparações com o famoso monumento egípcio.

Morango
Milan Osterc (SVN)
O antigo avançado da Eslovénia jogou em quase todo o Mundo, mas nunca escapou ao nome de guerra que lhe foi dado enquanto jovem quando se transferiu para o NK Gorica. Foi apelidado de Jagoda (morango) porque a região onde cresceu, Prekjmurje, é famosa pelos seus morangos.

O Tractor
Javier Zanetti (ARG)
O defesa-direito do Inter ganhou a alcunha de O Tractor pouco depois da sua transferência para Itália, e como reconhecimento da sua força, persistência e resistência em campo.

©Getty Images

Jason 'Gatilho' McAteer

Gatilho
Jason McAteer (IRL)
Não é um elogio a uma qualquer habilidade a disparar, mas antes uma referência a uma personagem da popular série britânica de televisão "Only Fools And Horses". McAteer aprendeu a viver com esta alcunha e reviveu até alguns momentos menos bons da carreira como orador em alguns jantares. Roy Keane, que se desentendeu com McAteer em 2002, levou a piada mais longe e deu o nome de Gatilho a um dos seus cães.

A Truta
Günter Siebert (GER)
Mais tarde seria presidente do FC Schalke 04, mas enquanto jogador Siebert ajudou o clube de Gelsenkirchen a ganhar o título alemão em 1958 e ficou conhecido como Forelle (Truta), devido à sua habilidade para fugir às marcações dos adversários.

Tio
Giuseppe Bergomi (ITA)
O colega de equipa Giampiero Marini ficou atónito com o tamanho do bigode do jovem Giuseppe Bergomi quando ele começou a treinar com a equipa sénior no Inter de Milão. " O quê? Tu tens mesmo 18 anos? Tu pareces meu tio", disse Marini. Bergomi passou a ser Zio (Tio) desde então.

O Feiticeiro de Oz
Harry Kewell (AUS)
Os momentos de magia do antigo avançado do Leeds United AFC, Liverpool FC e Galatasaray AŞ – e a herança australiana – construíram a alcunha (que o acompanhou quando se mudou para a Turquia, onde era apelidado de Oz Büyücüsü).

Última actualização: 05-10-17 12.26CET

Informação relacionada

Perfis das equipas

http://pt.uefa.com/memberassociations/news/newsid=2045844.html#as+melhores+alcunhas+futebol+europeu