”Partilhar visões semelhantes para a Europa e o seu futebol"

Numa missiva aos ministros do Desporto da União Europeia, em Bruxelas, o Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, apelou às autoridades políticas europeias para trabalharem em conjunto com a UEFA por “um futebol europeu justo, imprevisível, aberto e unido”.

Aleksander Čeferin, Presidente da UEFA
Aleksander Čeferin, Presidente da UEFA ©UEFA.com

Partilhar visões semelhantes para o futuro da Europa e do seu futebol – mantendo o equilíbrio competitivo do jogo – respeitando o modelo desportivo europeu – e reforçando a ligação entre UEFA e autoridades políticas europeias.

Estas foram as principais notas da mensagem do Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, aos ministros do Desporto no Conselho da União Europeia (UE), em Bruxelas, esta quarta-feira.

Aleksander Čeferin explicou o papel, a missão e a responsabilidade da UEFA aos ministros dos Estados-membros da UE. Salientou o empenho do futebol europeu na promoção da unidade e solidariedade e apelou a que a UE trabalhe em conjunto com a UEFA para “um futebol europeu justo, imprevisível, aberto e unido.”

A UEFA tem fomentado relações positivas com a UE e as instituições políticas europeias, em particular através de vários acordos de cooperação, e recebeu de volta o apoio nas suas principais medidas, incluindo o "fair play" financeiro, reformas para uma boa governança e a missão de tornar o futebol acessível a todos.

“Este relacionamento é feito de confiança, partilha de valores e desejo mútuo de actuar no interesse de todos", disse o Presidente da UEFA.

“Durante muitos anos, o futebol tornou-se tão mais que apenas um jogo, uma paixão ou entretenimento”, revelou. “Junta mais de meio bilião de cidadãos europeus, independentemente da idade, classe social ou religião. Proporciona esperança no futuro. É parte da cultura partilhada na Europa.”

“Como organismo de governação do futebol na Europa, a UEFA representa o primeiro movimento social deste continente. Esta á uma responsabilidade importante”, acrescentou.

Aleksander Čeferin sublinhou que o papel da UEFA passou para além da organização de competições e do estabelecimento de regras. “Dia após dia, consolidámos valores e conciliámos os interesses de todas as partes interessadas – adeptos, jogadores, clubes, ligas, federações, detentores de direitos televisivos e patrocinadores.”

“E a crescente comercialização do futebol apenas sublinha a necessidade de um organismo governativo forte, credível e virado para o futuro", acrescentou.

Foi também salientado por Aleksander Čeferin que a distribuição financeira tem sido o coração da filosofia da UEFA, através do reinvestimento dos lucros obtidos no melhorar do bem-estar do jogo. “Tal como um estado que precisa de suporte financeiro para manter infra-estruturas e serviços públicos, a UEFA procura financiar as suas actividades.”

O dirigente enfatizou também a determinação da UEFA em proteger o modelo de desporto europeu. “Enquanto for presidente da UEFA", salientou, "não haverá espaço para ir atrás de pensamentos egoístas ou de nos escondermos atrás de falsas pretensões.

“Não posso aceitar que algumas pessoas que estão cegas pela perseguição do lucro estejam a considerar vender a alma das competições a nebulosos fundos privados.”

“O dinheiro não manda – e o modelo desportivo europeu tem de ser respeitado. O futebol não está à venda. Não vou deixar ninguém sacrificar as suas estruturas para dar espaço ao mais alto, impiedoso e cínico mercantilismo.”

Quanto ao equilíbrio competitivo no futebol, AleksanderČeferin afirmou que a concentração de riqueza nas mãos de um grupo restrito de clubes "ameaça o equilíbrio da competição que é o essencial do apelo do futebol”.

“Estamos prontos para tomar acções de forma a aumentar o equilíbrio das competições… Há aqui uma urgente necessidade de actuarmos ante uma situação a que urge responder antes que seja tarde de mais.”

O Presidente da UEFA apelou a que os governantes dos Estados-membros da UE e a Comissão Europeia mantenham e reforcem o apoio às políticas da UEFA. “Fazer de conta que não se vê... a política do esperar para ver", disse. Devemos partilhar este objectivo que ambicionamos atingir: a abertura à imprevisibilidade das competições.”

A fase final do UEFA EURO 2020 realiza-se em 12 cidades de toda a Europa daqui a dois anos e, para Aleksander Čeferin, constituirá “uma oportunidade única para celebrarmos juntos a Europa”, e irá – para além de aumentar a popularidade do futebol e criar oportunidades de emprego – contribuir para se ir ao encontro do objectivo da UE no que toca à integração.

”Irá aumentar o desenvolvimento regional”, reflectiu. “Diversidade cultural, coesão social, sustentabilidade, inovação e crescimento económico – estamos nos blocos de partida para algo que irá dar benefícios à Europa e que continuará para lá do final da competição.”

O Presidente da UEFA saudou a relação positiva e proactiva com a UE. “Quero construir um futuro na fase da colaboração e cooperação”, revelou. “O futebol europeu é forte quando junta todos os seus agentes em redor dos mesmos objectivos.”

“Juntos podemos fazer uma Europa forte e unida e demonstrar o nosso empenho conjunto em trazer mudanças positivas para todo o continente europeu.”

Topo