Como são formados os árbitros?

A formação é fundamental para os árbitros e os cursos de Inverno desta semana da UEFA, no Chipre, trouxeram enorme variedade de sessões técnicas e de instrução para ajudá-los a evoluir.

Os árbitros ouvem uma apresentação no Chipre
Os árbitros ouvem uma apresentação no Chipre ©Sportsfile

A formação e instrução de árbitros estão no topo na lista de prioridades da UEFA no seu programa de arbitragem, em especial junto de jovens árbitros que começam agora a carreira internacional.

O delegado de arbitragem da UEFA, Hugh Dallas, e o seu colega no Comité de Arbitragem, Vladimir Sajn, têm trabalhado bastante esta semana, no Chipre, a conduzir uma série de sessões educacionais nos cursos de Inverno do organismo europeu. O objectivo é ajudar os árbitros a atingirem os padrões de qualidade que tornaram os da Europa respeitados no mundo do futebol.

"Há muitas mais instruções a serem transmitidas aos jovens árbitros no curso introdutório, porque eles têm de saber o que a UEFA espera deles, conscientes da importância de termos uma aplicação e interpretação consistentes das Leis de Jogo", afirmou Dallas, ele próprio um antigo árbitro internacional de topo. Há menos instruções e mais discussão no curso avançado, uma vez que os árbitros de elite preparam-se para a segunda metade da época nas provas de clubes. "Estamos a ver os jovens árbitros pela primeira vez", explicou Dallas, "pelo que lhes prestamos considerável atenção dentro e fora de campo".

"Não só realçamos a necessidade de haver consistência nas leis, como também damos conselhos no que toca à gestão dos jogos. Os árbitros de topo têm também de ser bons gestores e homens. Pedimos-lhes que usem a sua personalidade em campo, e falamos com eles sobre a maneira de comunicarem com os jogadores, com o intuito de gerirem incidentes específicos."

A exaustiva análise aos árbitros nos cursos da UEFA inclui a verificação dos seus conhecimentos sobre as Leis de Jogo. "Se ocorrerem incidentes pouco habituais no terreno de jogo, então os nossos árbitros devem estar preparados para tomarem as decisões apropriadas", explicou Dallas. "Temos também de garantir que os árbitros estão actualizados sobre os regulamentos da competição."

Dedicação é a palavra-chave para Dallas e Sajn na recolha de centenas de incidentes de jogo mostrados aos árbitros para estes analisarem e chegarem a decisões correctas - incluindo tendências relevantes e em mudança às quais os juízes devem estar atentos.

"Temos uma rede de observadores de TV por toda a Europa", afirmou Dallas. "A sua missão é escolher incidentes interessantes ao longo dos jogos nas nossas melhores competições, identificados para propósitos de formação e reencaminhados para a UEFA. Estes incidentes são depois usados em diversos cursos ao longo do ano."

"Produziremos, igualmente, material para as equipa em competição na fase final do EURO 2016, em França, e antes do arranque da prova todas as equipas serão visitadas por membros do nosso Comité de Arbitragem para garantir que os jogadores e treinadores estejam conscientes das directrizes que os nossos árbitros receberam."

Dallas, tal como os colegas na estrutura de arbitragem da UEFA, retira grande satisfação por ajudar os jovens árbitros a lançarem as suas carreiras no caminho certo o que, em alguns casos, os leva ao topo e ao comando de jogos nas principais competições.

"É compensador", explicou. "Por exemplo quando cheguei ao Comité de Arbitragem fui escolhido para treinar Howard Webb e Alberto Undiano, de Espanha, entre outros. Tive o prazer de trabalhar com eles nos primeiros anos e foi óptimo testemunhar o seu progresso até ao topo."