Presidente da UEFA visita Bulgária

O Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, visitou a Bulgária para ouvir os planos locais para o desenvolvimento da modalidade em diversas áreas e descreveu-a como "um verdadeiro país do futebol".

Borislav Mihaylov, Boyko Borissov e Aleksander Čeferin
Borislav Mihaylov, Boyko Borissov e Aleksander Čeferin ©BFU

O Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, prosseguiu o seu périplo por várias federações de futebol europeias com uma visita à Bulgaria.

Čeferin e outros altos representantes da UEFA levaram a cabo esta segunda-feira conversas com os dirigentes da Federação Búlgara de Futebol (BFU) sobre uma ampla variedade de assuntos, entre eles o desenvolvimento do futebol profissional, jovem e amador, bem como de infra-estruturas futebolísticas municipais na Bulgária.

O Presidente da UEFA esteve igualmente reunido com o primeiro-ministro da Bulgária, Boyko Borissov, bem como com os autarcas dos municípios onde estão previstos investimentos. a quem prometeu o seu apoio.

“A Federação Búlgara de Futebol e as autoridades estatais locais mostram grande vontade de desenvolver o futebol no país e mostram uma forte cooperação entre si nessa questão,” salientou Čeferin.

“A Bulgária é, verdadeiramente, um país do futebol,” acrescentou. “Tem um dos mais bonitos centros de treino da Europa e o desenvolvimento das infra-estruturas tem sido muito positivo.”

Financiamentos por parte do programa de assistência HatTrick da UEFA ajudaram a Federação Búlgara de Futebol a construir o seu novo centro nacional de futebol, o qual foi inaugurado em Novembro de 2016.

Čeferin felicitou o presidente da BFU, Borislav Mihaylov, pelos trabalhos realizados com vista ao desenvolvimento do futebol na Bulgária.

“Borislav conhece por dentro o Comité Executivo da UEFA e sabe o quanto trabalhamos para o bem do futebol,” frisou.

Mihaylov, por seu lado, sublinhou os planos da BFU, igualmente financiados pelo programa HatTrick, agora no seu quarto ciclo.

“Estamos a preparar grandes investimentos graças ao HatTrick VI,” explicou. “Vamos investir estes fundos onde eles mais falta fazem: academias, campos, mini-campos e infra-estruturas de estádios.”

Topo