Suécia estraga festa de Portugal na Madeira

Em jogo particular, no qual Cristiano Ronaldo jogou pela primeira vez por Portugal na Madeira, de onde é natural, a Suécia bateu a selecção lusa por 3-2, após recuperar de dois golos de desvantagem.

©Getty Images

Portugal recebeu e perdeu com a Suécia, no Estádio do Marítimo, esta terça-feira, por 3-2, em jogo e carácter particular. Num encontro que marcou a estreia absoluta do guarda-redes do SC Braga, Marafona, na selecção portuguesa, a grande estrela foi Cristiano Ronaldo, natural da Madeira e que realizou o primeiro jogo pela formação das "quinas" na ilha - foi o primeiro jogo de Portugal aqui em 16 anos. O capitão luso mostrou ao público presente o troféu conquistado no UEFA EURO 2016.

Num ambiente de grande festa, todos os olhos estavam postos no filho da terra, que marcaria na primeira oportunidade de que dispôs, na grande área, de primeira, aos 18 minutos, após cruzamento de "trivela" da direita de Gelson Martins. Foi a primeira grande explosão de alegria nas bancadas, num jogo em que Portugal apresentou dez caras novas em relação ao triunfo por 3-0 sobre a Hungria no passado sábado, de Qualificação Europeia para o Campeonato do Mundo de 2018. Apenas Ronaldo se manteve no "onze", para jogar ante o seu público.

Cristiano Ronaldo mostra o troféu do UEFA EURO 2016 ao público no Estádio do Marítimo
Cristiano Ronaldo mostra o troféu do UEFA EURO 2016 ao público no Estádio do Marítimo©Getty Images

Num jogo em que a Suécia também tentou o golo sempre que possível, em especial pelo médio-direito Viktor Claesson, muito activo, Marafona esteve atento e foi negando os intentos nórdicos. Karl-Johan Johnsson, aos 26 minutos, negou o 2-0 a Ronaldo, com uma bela defesa, mas nada pôde fazer aos 34, quando Andreas Granqvist desviou um cruzamento de Gelson e fez autogolo. O intervalo chegou com uma vantagem justa para Portugal, mercê da boa eficácia ofensiva.

Claesson, que já na primeira parte havia sido o mais perigoso dos suecos, reduziu para 2-1 aos 57 minutos, ao surgir sozinho frente a Marafona para rematar a contar. Um golo que, de certa forma, se justificava, pela insistência sueca travada apenas pela boa exibição de Marafona. Mas os visitantes não se ficaram por aqui e, aos 76 minutos, o suspeito do costume, Claesson, desviou ao primeiro poste um canto da direita e fez o empate, numa altura em que Portugal, fruto as muitas substituições, sentia muita dificuldades para manter a coesão defensiva e a criatividade na frente.

E no último lance do encontro, os suecos deram mesmo a volta ao resultado, num autogolo de João Cancelo após centros rasteiro, mas tenso, da esquerda de Niklas Hult.

Momento: Golo de Cristiano Ronaldo
Não decidiu o jogo, mas foi o momento alto do desafio, pelo seu significado. O dia era de festa para a Madeira, com o regresso da selecção lusa e pela presença de Cristiano Ronaldo em campo, e nada melhor do que o capitão marcar, aos 18 minutos, um golo pleno de oportunidade, a passe de Gelson. O Estádio do Marítimo, também conhecido por "Caldeirão dos Barreiros", fez jus à alcunha.

Figura: Viktor Claesson
Ronaldo era o centro as atenções, marcou um golo e podia ter feito outro. Mas num jogo em que o capitão saiu logo no início do segundo tempo, a grande figura acabou por vestir de amarelo. Viktor Claesson foi o mais perigoso em toda a primeira parte do lado sueco, colocando a defesa lusa em sentido, e na segunda parte corrigiu a parte da finalização e bisou na partida, dois belos golos do médio direito sueco.

Fernando Santos, seleccionador de Portugal
Estivemos razoavelmente bem na primeira parte, mas nunca na organização defensiva. Controlámos o jogo, estivemos bem na frente, com situações de perigo e dois golos. Mas na segunda metade fomos pouco responsáveis. Estou aborrecido com o jogo, não estou contente. Não podíamos sofrer três golos. Não fomos competentes como tínhamos de ser. Sabia o que esperar da equipa e assumo a responsabilidade pelas minhas opções.